Votar uns nos outros para ficar com a EMA? Ideia é da Grécia

A ideia é da Grécia: fazer uma aliança mediterrânica em que os países votam uns nos outros para aumentarem a probabilidade de ficarem com a Agência Europeia do Medicamento. Portugal ainda não decidiu.

A proposta veio da Grécia, mas o objetivo é incluir o Chipre, França, Itália, Malta, Portugal e Espanha. A ideia partiu do ministro grego dos Negócios Estrangeiros, Georgios Katrougalos, e passa por uma aliança mediterrânea: como cada país tem três votos, o objetivo seria que estes sete Estados-membros os distribuíssem entre si. Questionada pelo EU Observer esta quarta-feira, a atual secretária de Estado para os Assuntos Europeus não se comprometeu com uma votação em bloco.

A concorrência é feroz: são 19 candidaturas à Agência Europeia do Medicamento e mais oito candidaturas para a Autoridade Bancária Europeia. Ambas as entidades estavam sediadas no Reino Unido, mas com a saída dos britânicos da União Europeia têm de ser realocadas. Dos sete Estados-membros que a Grécia quer aliar-se, apenas o Chipre não tem uma candidatura. Este mapa do Conselho Europeu resume a concorrência.

O processo de seleção da cidade vencedora tem várias fases. A primeira — depois de as candidaturas terem sido submetidas até ao final de julho — é uma avaliação das candidaturas por parte da Comissão Europeia baseada nos critérios definidos, que será revelada a 30 de setembro. Segue-se a discussão política do tema em outubro e, em novembro, chegará a altura dos Estados-membros votarem.

A votação envolverá os 27 Estados-membros através dos representantes dos Governos. Segundo o EU Observer, vão existir três rondas no encontro ministerial que acontecerá em novembro — pelo menos até que uma das candidaturas reúna 14 votos. A ideia da Grécia é que os países do Mar Mediterrâneo se juntem para que, ao distribuírem entre si os três votos que têm direito, possam ter mais probabilidades de passar às fases seguintes.

Questionada pelo EU Observer, Ana Paula Zacarias, a recém-nomeada secretária de Estado dos Assuntos Europeus, afirmou que Portugal “ainda não decidiu” se irá integrar a aliança. A secretária de Estado considera que a avaliação da Comissão Europeia será determinante para Portugal definir o seu sentido de voto. Segundo Ana Paula Zacarias, Portugal “já está a discutir com alguns parceiros”.

Ainda assim, o ministro grego virá a Portugal esta semana para discutir o assunto com as autoridades portuguesas. “Há um elemento político neste assunto, claro, mas também há um elemento de qualidade”, acrescentou Zacarias. Já o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, afirmou que o procedimento de voto “não será necessariamente um assunto de opções regionais”.

Entendemos a posição dos nossos colegas gregos, mas achamos que o tabuleiro de xadrez será muito mais complexo e mais sofisticado do que um assunto de regiões na Europa“, concluiu. Ou seja, Adalberto Campos Fernandes não excluiu a hipótese de Portugal votar em países do norte da Europa.

O ECO contactou o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Ministério da Saúde, mas até ao momento ainda não obteve resposta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Votar uns nos outros para ficar com a EMA? Ideia é da Grécia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião