Sata perde monopólio. Delta vai ligar Açores a Nova Iorque

  • ECO
  • 22 Setembro 2017

Depois do sucesso da ligação Lisboa-Nova Iorque, a americana Delta Airlines anuncia a entrada no espaço aéreo açoriano com cinco voos semanais entre Ponta Delgada e o Aeroporto John F. Kennedy.

Os dias da exclusividade da SATA sobre as ligações entre os Estados Unidos e os Açores estão contados. Em 2018, a transportadora aérea Delta Airlines vai passar a voar entre Ponta Delgada e Nova Iorque (Aeroporto John F. Kennedy), cinco vezes por semana.

A operação que arranca a 25 de maio, segundo o site da companhia, será realizada por um Boeing 757-200 ER com capacidade para 199 passageiros.

Em 2017, a Delta Airlines regressou, duas décadas depois, a Lisboa. No próximo ano, entra no espaço aéreo açoriano, marcando o fim do monopólio da SATA, nas ligações entre a região e os Estados Unidos.

“É um dado positivo e, com a dimensão com que esta operação tem no seu anúncio, é uma prova sólida e consistente da atratividade crescente dos Açores enquanto destino turístico”, declarou o presidente da região, Vasco Cordeiro, segundo a Lusa.

“O serviço da Delta entre Lisboa e Nova tem sido tão bem sucedido que estamos a aumentar a nossa rede portuguesa, para responder à procura a que temos assistido por viagens nos meses de verão”, explicou Dwight James, vice-presidente transatlântico da transportadora, num comunicado citado pelo Açoriano Oriental. O responsável assinalou, ainda, o potencial de crescimento das relações comerciais entre Portugal e os Estados Unidos trazido pela nova rota.

Segundo o INE, no primeiro semestre de 2017, os Açores lideraram o crescimento turístico a nível nacional, no que diz respeito ao número de dormidas. A entrada de companhias low-cost (Ryanair e Easyjet) no espaço aéreo regional, em 2015, desencadeou essa expansão.

A 25 de maio de 2018, a Delta lançará também uma nova ligação Lisboa-Atlanta, que vem complementar a ligação Lisboa-Nova Iorque iniciada, este ano.

[Notícia corrigida às 12:51]

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sata perde monopólio. Delta vai ligar Açores a Nova Iorque

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião