Elisa Ferreira: “União Bancária ainda é um copo meio vazio”

Sem qualquer comentário em relação à polémica entre Carlos Costa e Mário Centeno, a vice-governadora sublinhou que a Zona Euro precisa de aprofundar a União Bancária porque está exposta a riscos.

Para Elisa Ferreira, a União Bancária ainda é “um copo meio vazio” que deixa a Zona Euro exposta a “inconsistências severas” que limitam a sua capacidade de responder a futuras crises financeiras na região.

A vice-governadora do Banco de Portugal, que falava sobre as lições da crise para os bancos centrais, indicou que o único caminho para o bloco da moeda única passa por aprofundar a integração financeira para garantir “um alinhamento apropriado dos interesses” entre os vários agentes do mercado, incluindo quem tem o poder de decisão, como os bancos centrais. O que não acontece neste momento, prossegue.

“A estabilidade financeira continua a ser maioritariamente uma preocupação e responsabilidade nacional, apesar da capacidade muito mais limitada [de um país] de utilizar as ferramentas nacionais para a salvaguardar”, explicou a Elisa Ferreira.

Assim, com apenas meio caminho feito na União Bancária, “persistem inconsistências severas” na Zona Euro, sublinhou a responsável.

Elisa Ferreira declarou ainda que as fundações da arquitetura financeira da região da moeda única”não são ainda suficientemente robustas para resistir ao impacto de uma futura crise”. Considerou que deve haver uma “reinterpretação do tratado do Mecanismo Europeu de Estabilidade” para o tornar mais eficaz na garantia de estabilidade financeira.

Numa apresentação dedicada à situação financeira na Zona Euro, Elisa Ferreira não teceu qualquer comentário acerca da polémica entre o governador do Banco de Portugal e o Ministério das Finanças. Carlos Costa disse esta manhã que há uma tentação de reduzir a independência dos bancos centrais que não é exclusiva de Portugal, isto numa altura em que o Governo prepara uma revisão profunda ao sistema de supervisão financeira. “É lamentável”, disse ao ECO uma fonte do Ministério das Finanças.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Elisa Ferreira: “União Bancária ainda é um copo meio vazio”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião