Petróleo supera os 58 dólares. Toca máximos de 2015

  • ECO
  • 25 Setembro 2017

O barril negociado em Londres ultrapassou a fasquia dos 58 dólares, perante os sinais da OPEP e da Rússia de que o excedente da matéria-prima poderá estar próximo de ter um fim.

Os preços do petróleo seguem em forte alta dos dois lados do Atlântico, registando ganhos de 2,8%. No caso do Brent que é negociado em Londres, está em máximos de julho de 2015. O avanço das cotações acontece depois de a OPEP ter afirmado que está a tentar anular o excesso de “ouro negro” no mercado, ao mesmo tempo que o mercado teme novas disrupções no fornecimento em resultado do voto dos curdos à independência do Iraque.

O barril Brent, de Londres, negoceia atualmente nos 58,37 dólares por barril, depois de ter negociado nos 57,83 dólares, o valor mais alto registado desde o dia 3 de janeiro deste ano. Já o crude valoriza 1,13%, para os 51,23 dólares por barril.

Cotações do petróleo em alta

Os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os seus parceiros, estão a conseguir implementar mais de 100% dos cortes acordados no último mês, enquanto as reservas de combustíveis ficaram “massivamente drenadas”, afirmou o secretário-geral da OPEP, Mohammad Barkindo, na passada sexta-feira, em Viena.

Por outro lado, países produtores como é o caso da Rússia, já manifestaram a sua disponibilidade para prolongar os cortes na produção além de março de 2018, visando ajustar a oferta à procura e equilibrar os preços no mercado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Petróleo supera os 58 dólares. Toca máximos de 2015

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião