Euro em mínimos de um mês. Volta a valer menos de 1,18 dólares

O euro prolonga a maior queda diária do ano. Está a ser pressionado pelo resultado das eleições na Alemanha, enquanto os investidores se desfazem de posições longas antes do discurso de Janet Yellen.

A moeda única volta a estar sob pressão nesta terça-feira. O euro segue em terreno negativo, negociando em mínimos de mais de um mês, abaixo dos 1,18 dólares. A divisa europeia está a ser penalizada pelo resultado eleitoral das legislativas alemãs deste fim de semana. Mas também em resultado da diminuição das apostas na subida do euro por parte dos investidores, no dia em que aguardam com alguma expectativa pelo discurso de Janet Yellen que acontece nesta terça-feira.

Euro sob pressão, em mínimos de um mês

Fonte: Bloomberg | Valores em dólares

O euro desvaloriza 0,43%, para os 1,1798 dólares, nível mínimo desde 25 de agosto. Essa quebra prolonga a maior perda diária registada na sessão de segunda-feira, dia em que a moeda única perdeu 0,86%, com os investidores a revelarem os seus receios relativamente ao desfecho final das eleições legislativas na Alemanha que ditaram uma maioria relativa ao partido de Angela Merkel e que obrigam a negociações com outros partidos no sentido de conseguir formar governo.

Contudo, este não será o único fator a influenciar o rumo do euro nesta sessão. Os investidores estão a reduzir as suas apostas na subida da moeda única da Zona Euro, ainda antes de a presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos discursar ao final do dia de hoje. O mercado revela ainda as suas dúvidas relativamente à atuação do BCE em termos da sua política de estímulos, depois de na segunda-feira Mário Draghi ter dito que a volatilidade da moeda única é uma fonte de incerteza que requer monitorização, defendendo ainda ser necessário um “amplo” grau de políticas acomodatícias no espaço do euro.

(Notícia atualizada às 12h05 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Euro em mínimos de um mês. Volta a valer menos de 1,18 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião