BCE dá luz verde à fusão de bancos na Europa

  • Lusa
  • 27 Setembro 2017

"São necessários bancos corajosos que queiram conquistar novos territórios", avança o BCE. Em causa poderá estar a queda ou a fusão dos bancos mais fracos.

A presidente do conselho de supervisão do BCE, Danièle Nouy, defendeu hoje as fusões de bancos, a nível “nacional ou melhor além-fronteiras”, para reduzir o número de instituições de crédito que operam na Europa.

Na opinião de Nouy, o setor bancário europeu tem de ter um tamanho “adequado” para a economia e face à situação atual e à forte concorrência “nem toda a gente pode ganhar”.

Nouy – que falava em Madrid num encontro sobre o setor financeiro organizado pelo jornal espanhol Expansión – acredita que alguns bancos têm de sair do mercado, seja por deixarem de existir ou através de fusões com outros bancos, sejam dos seus próprios países ou de outros Estados, o que daria lugar a fusões além-fronteiras.

“São necessários bancos corajosos que queiram conquistar novos territórios”, afirmou a responsável do BCE, sublinhando que a consolidação das entidades deve ser deixada “às forças de mercado” sem qualquer intervenção dos supervisores.

Contudo, Nouy reconheceu que os supervisores podem ajudar a criar as condições de mercado, por exemplo, contribuindo para reduzir a incerteza sobre a qualidade dos ativos bancários.

A principal ideia exposta pela presidente do conselho de supervisão do BCE é a de que pode haver problemas em “muitos bancos” se houver algumas entidades débeis, porque a grande concorrência leva a que os benefícios do setor sejam mais baixos e aumente as dificuldades para gerar capital.

Em última instância, a existência de “entidades débeis” podem acabar por minar a estabilidade do sistema financeiro no seu conjunto e da economia, se se mantiverem os níveis de endividamento muito altos pela dependência do crédito, que chega a converter-se numa “droga”, e superarem o Produto Interno Bruto (PIB).

A defesa das fusões entre bancos pela responsável do BCE surge depois de vários anos de consolidação do setor, que fizeram com que o número de entidades se tenha reduzido significativamente.

Mesmo assim, os ativos totais do setor bancário na Europa em 2012 equivaliam a 314% do PIB da região e agora representam 280% do PIB, ainda muito acima da percentagem de 88% do PIB nos Estados Unidos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCE dá luz verde à fusão de bancos na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião