EBA: Presidentes de bancos devem ter uma “formação adequada”

  • Lusa
  • 28 Setembro 2017

A partir de junho de 2018, os responsáveis de bancos e outras instituições financeiras devem ter competências académicas e experiência profissional adequada aos lugares que ocupam. Quem o diz é EBA.

A Autoridade Bancária Europeia publicou esta quinta-feira as linhas-mestras das competências que os administradores de entidades financeiras têm de ter como formação académica e profissional e que não tenham processos judiciais contra si ou práticas de delitos fiscais.

A Autoridade Bancária Europeia (EBA na sigla em inglês) e a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) divulgaram esta quinta-feira o relatório com as orientações conjuntas sobre a adequação dos membros do órgão de administração e de fiscalização, ou seja, os princípios e competências que devem cumprir os responsáveis de bancos e outras instituições financeiras.

As orientações entram em vigor em junho de 2018 e substituem as que vigoram desde 2012.

O relatório destaca que esses responsáveis devem ter competências académicas e experiência profissional adequada aos lugares que ocupam, assim como reputação, honestidade e integridade, para que levem a cabo uma gestão adequada e prudente. Também a independência dos administradores é fundamental na sua adequação ao lugar, segundo a EBA e a ESMA.

Os dois reguladores europeus exigem ainda que, no exercício das suas funções os administradores tenham formação contínua e que lhes seja dado tempo suficiente para avaliar os dossiês que têm em mãos. Para a EBA, tal é fundamental na avaliação de risco dos negócios.

Cabe aos supervisores de cada país avaliar se isto é cumprido, caso do Banco de Portugal e da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) em Portugal.

No caso de bancos considerados sistémicos, diz a EBA que estas diretrizes também devem ser aplicadas aos responsáveis dos órgãos de controlo interno, mesmo que não façam parte da administração.

Estas diretrizes vêm substituir as de 2012, ainda que muito do que nessas conste se mantenha também nestas.

Por exemplo, no capítulo da ‘reputação, honestidade e integridade’, é dito que “sem prejudicar a assunção de inocência” ou os “princípios fundamentais” dos cidadãos, que devem ser tidas em conta na avaliação de um administrador se pedem sobre si sentenças ou processos em andamento ligados a crimes, nomeadamente das áreas em que atua, como crimes financeiros, lavagem de dinheiro ou manipulação de mercado.

Também “delitos fiscais” são um motivo para estar em risco o princípio da ‘reputação, honestidade e integridade’ de um administrador.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EBA: Presidentes de bancos devem ter uma “formação adequada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião