Malparado: “Não haverá nenhuma garantia pública”, diz Mourinho Félix

  • Ana Batalha Oliveira
  • 28 Setembro 2017

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças garantiu em entrevista à Reuters que "não haverá nenhuma garantia pública" para o crédito malparado gerido pela nova plataforma.

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, adiantou que o malparado vai continuar “contabilística e legalmente nos balanços dos bancos” apesar de passarem a ser geridos numa plataforma criada em conjunto pela Caixa Geral de Depósitos, o Novo Banco e o BCP.

Esta plataforma deverá estar em operação “até ao final do ano”, indicou Mourinho Félix em entrevista à agência Reuters. Contudo, esta será uma “entidade privada” que servirá unicamente para coordenar a recuperação de malparados cruzados, sem contar com garantias públicas.

“Os bancos concordaram entregar a gestão dos créditos malparados das empresas, que estão expostas a mais do que um destes bancos, à plataforma (ACE). O ownership do processo é dos bancos e eles já estão a preparar os documentos”, frisou Mourinho Félix.

"Os bancos concordaram entregar a gestão dos créditos (NPLs) das empresas, que estão expostas a mais do que um destes bancos, à plataforma (ACE). O ‘ownership’ do processo é dos bancos e eles já estão a preparar os documentos.”

Ricardo Mourinho Félix

Secretário de Estado Adjunto e das Finanças

Mourinho Félix disse que “não há um bad bank, não há um veículo ou asset management company“. Ou seja, a plataforma portuguesa distancia-se das soluções encontradas pela vizinha Espanha e em Itália, sublinhou o governante.

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos já assinaram esta quinta-feira o memorando de entendimento para a criação de uma plataforma de gestão do malparado. Esta plataforma só vai gerir créditos individuais acima de cinco milhões numa fase inicial.

De acordo com o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, “o papel do Governo e do Banco de Portugal foi sobretudo de sentar os bancos à mesa”.

"Não há um bad bank, não há um veículo ou asset management company.”

Ricardo Mourinho Félix

Secretário de Estado Adjunto e das Finanças

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Malparado: “Não haverá nenhuma garantia pública”, diz Mourinho Félix

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião