Novo Banco já comprou três mil milhões de dívida em Londres

Era uma das condições para o sucesso da oferta de recompra de dívida: obter pelo menos mil milhões, dos 6.276 milhões de euros totais, em títulos emitidos pela sucursal em Londres. Já conseguiu.

O Novo Banco recomprou, até agora, 4.603 milhões de euros em dívida, continuando aquém da meta global para conseguir a “almofada” que desbloqueia a venda ao Lone Star. Mas já há uma conquista: deste valor, 2,9 mil milhões de euros são de títulos emitidos em Londres, quase três vezes mais do que precisava para que a operação fosse considerada bem-sucedida.

A “conclusão da oferta e a implementação das propostas está sujeita à satisfação, ou renúncia pelo Novo Banco” de várias condições. Uma delas é a de que o montante dos Valores Mobiliários a recomprar “de cada série em relação às quais tenha sido aprovada a deliberação extraordinária, no âmbito da solicitação de consentimento, seja igual ou superior a 6.276.000.000 euros”. A outra é a de que neste valor tem de estar incluído “um montante nominal agregado igual ou superior a 1.000.000.000 de euros que tenham sido emitidos pelo Novo Banco, Sucursal de Londres“.

O banco de transição ainda só conseguiu 73,4% dos 6.276 milhões de euros que necessita, mas uma das condições foi superada nesta segunda assembleia geral. Se na primeira AG tinham sido recomprados títulos de dívida emitidos pela Sucursal de Londres no valor de 545 milhões de euros, metade da meta, nesta segunda reunião magna o valor disparou: comprou 2.376,3 milhões.

Considerando as duas AG, e sem ter em conta títulos de dívida que o Novo Banco possa ter adquirido fora deste âmbito — recomprou 529 milhões diretamente a investidores — o total adquirido em dívida emitida por Londres ascende já a 2.921,3 milhões de euros. Este montante representa praticamente três vezes o necessário, sendo reflexo da aceitação da oferta por parte dos grandes investidores.

Do total dos títulos que o Novo Banco se propôs recomprar para conseguir chegar à poupança de 500 milhões de euros que abre a porta à venda ao Lone Star, 43% são detidos por investidores de retalho, sejam eles residentes em Portugal ou emigrantes. O remanescente está nas mãos de grandes investidores, muitos deles utilizando Londres como base das suas transações. Entre esses está a Pimco que já aceitou a oferta. E até já vendeu os títulos ao banco liderado por António Ramalho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco já comprou três mil milhões de dívida em Londres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião