Recall custa mais 2,5 mil milhões. Ações da Volkswagen castigadas

  • ECO
  • 29 Setembro 2017

Complexidade da operação de recuperação dos carros afetados pelo escândalo da Volkswagen custou à empresa, no último trimestre, 2,5 mil milhões de euros. Mercados não reagem bem: ações caem 2%.

O terceiro trimestre de 2017 não foi fácil para a Volkswagen. A fabricante automóvel reportou, nesse período, prejuízos adicionais de 2,5 mil milhões de euros com o recall dos carros a diesel afetados pelo escândalo da manipulação das emissões poluentes. A complexidade da operação na América do Norte é apontada pela marca como justificação para estes resultados.

Em causa estão provisões adicionais que o fabricante automóvel irá ter de constituir e que irão penalizar os resultados operacionais do terceiro trimestre que serão conhecidos a 27 de outubro, segundo assumiu a Volkswagen em comunicado divulgado nesta sexta-feira. De acordo com três analistas citados pela Bloomberg, a companhia deve esperar, neste trimestre, um lucro operacional de 4,45 mil milhões de euros.

Volkswagen derrapa em bolsa

Fonte: Bloomberg | Valores em euros

Os mercados não perdoaram. Na sessão de hoje, as ações da Volkswagen já estiveram a recuar perto de 4%, perdas que entretanto aliviaram para 2,17%.

“O valor das provisões é surpreendentemente elevado, considerando que o número de carros envolvidos não é muito elevado”, afirmou Juergen Pieper, analista do Bankhaus, citado pela Bloomberg.

Em 2015, uma investigação nos Estados Unidos descobriu que a Volkswagen manipulou o dispositivo das emissões poluentes em veículos a diesel. A empresa alemã admitiu a fraude. O caso envolveu 11 milhões de carros vendidos em todo o mundo. No total, nos últimos dois anos, a gigante alemã já perdeu 25 mil milhões de euros com este escândalo. O valor das perdas adicionais agora conhecidas, fazem aproximar as perda da Volkswagen com o escândalo do “dieselgate” para perto de 28 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Recall custa mais 2,5 mil milhões. Ações da Volkswagen castigadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião