CaixaBank tomará as decisões que forem necessárias em defesa dos seus clientes

O CaixaBank, instituição que controla o BPI, diz que tomará as decisões que forem necessárias em defesa dos seus clientes. O objetivo, garante, é defender os clientes, empregados e acionistas.

Perante a situação política que se vive na Catalunha, o CaixaBank afirma que o único objetivo que defende é o de proteger, em todos os momentos, os interesses dos seus clientes, acionistas e empregados e será isso que vai guiar as decisões futuras das instituição.

Numa nota interna divulgada juntos dos seus colaboradores, na terça-feira, denominada “Greve e manifestação na Catalunha”, o banco defendeu a importância de “comunicar proativamente” aos seus clientes o seu compromisso na defesa dos seus interesses, segundo escreve o jornal espanhol Expansion.

A instituição que controla o BPI, adiantou mesmo que será a defesa dos interesses dos clientes a “guiar as decisões futuras, que caso seja necessário, tenhamos que tomar“.

A instituição catalã deixou claro que respeita o direito de greve e manifestação dos seus funcionários e garante que o único objetivo da instituição é “proteger em todos os momentos os interesses dos seus clientes, acionistas e empregados, garantindo a integridade dos depósitos“.

A incerteza politica que se vive em Espanha tem provocado receios juntos dos investidores, sobretudo ao nível da banca, setor que tem sido mais penalizado, sobretudo as instituições com sede na Catalunha, como é o caso do CaixaBank e do Sabadell. As ações de ambos os bancos registam quedas de quase 6% na bolsa espanhola.

Aliás, o presidente do Sabadell, Josep Oliu também já veio afirmar que: “se for necessário tomaremos medidas”. Oliu frisou que perante a crise política que se vive em Espanha, o Banco Sabadell conta com os instrumentos adequados, em sede da União Europeia e do sistema de supervisão bancária, para proteger os interesses dos seus clientes.

O presidente do Sabadell deixou mesmo um aviso: “a atual conjuntura pode distorcer o foco do que é realmente importante num contexto económico global em que os países competem e a segurança jurídica e a seriedade institucional são fundamentais”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaixaBank tomará as decisões que forem necessárias em defesa dos seus clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião