CaixaBank aposta no crescimento do BPI até ser o maior banco português

  • Lusa
  • 28 Abril 2017

O presidente executivo do CaixaBank diz que BPI está num "muito bom caminho" para atingir o mesmo crescimento do banco espanhol até se tornar no maior banco português.

Na apresentação que fez esta manhã em Barcelona dos resultados do primeiro trimestre do CaixaBank, Gonzalo Gortázar afirmou que o atual plano de 100 dias que está a ser implementado no BPI está em “muito bom caminho” e “no futuro haverá uma aceleração quase permanente” no crescimento do banco português. “Tenho o ‘feeling’ que vamos cumprir as sinergias anunciadas e conseguir que o BPI possa ter o mesmo tipo de evolução” que o CaixaBank teve em Espanha, tornando-se no primeiro banco português, afirmou Gortázar.

Por outro lado, o presidente executivo do CaixaBank afastou a possibilidade de uma mudança de nome do BPI nos próximos anos. “Temos mais de 100 iniciativas em marcha e não há nenhuma que esteja a estudar uma mudança de nome. Portanto, não prevejo uma mudança de nome”, assegurou Gonzalo Gortázar, insistindo que “a prioridade neste momento é reforçar a rentabilidade e a eficiência do BPI”. Gonzalo Gortázar voltou a defender que o BPI tenha um “crescimento orgânico”, não estando previsto que cresça através da aquisição de outras entidades.

O responsável do banco espanhol voltou a referir que estão previstas despesas de 150 milhões de euros para “melhorar a eficiência e reestruturação” do BPI e, como isso vai ter um impacto nos resultados da empresa, “ainda é cedo para falar numa política sustentada de dividendos para o banco”.

O CaixaBank teve lucros de 403 milhões de euros no primeiro trimestre de 2017, um crescimento de 47,9% em relação ao mesmo período de 2016, quando ainda não tinha integrado contabilisticamente o BPI. Em informação dada hoje à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, o CaixaBank salienta que estes resultados, que incluem um aumento de 11% dos créditos e dos recursos, foram conseguidos “depois de integrar o BPI”. Dos resultados globais, 353 milhões de euros correspondem à atividade do CaixaBank (30% mais do que no exercício anterior), enquanto 50 milhões foram trazidos pelo BPI, informa o banco espanhol.

Em fevereiro, o CaixaBank ficou com 84,5% do BPI na oferta pública de aquisição, tendo ficado nas mãos de outros acionistas 15,49% do capital. Por outro lado, a integração do BPI produziu um resultado extraordinário de 155 milhões de euros, mas como a reestruturação em curso no banco português nos próximos meses terá um custo aproximado de 155 milhões de euros, o impacto global da operação será neutro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaixaBank aposta no crescimento do BPI até ser o maior banco português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião