Católica lança pós-graduação em Direito da Saúde

A Faculdade de Direito da Universidade Católica inicia em novembro uma pós-graduação em parceria com o Hospital da Luz

Juristas, médicos, economistas, farmacêuticos e outros profissionais de saúde juntam-se, a partir de 17 de novembro, na Faculdade de direito da Católica para a concretização de uma pós-graduação em direito da Saúde.

Uma iniciativa conjunta com o Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa que conta com o Hospital da Luz como parceiro oficial.

“Por se tratar de uma área do direito que se afirma como disciplina autónoma, o seu estudo exige um aprofundamento próprio, assente num programa com um foco interdisciplinar, com o contributo de juristas, médicos, economistas, farmacêuticos e outros profissionais de saúde, com a finalidade de dotar os formandos de ferramentas adequadas às especificidades próprias do direito da saúde”, segundo fonte oficial da Universidade.

A sustentabilidade financeira do Serviço Nacional de Saúde, os desafios da genética, a proteção de dados de saúde, a prestação de cuidados de saúde pela internet, a introdução de medicamentos inovadores, são questões que serão abordadas no programa do curso, para além dos temas clássicos da responsabilidade civil e penal dos profissionais de saúde.

Esta pós-graduação destina-se a juristas que trabalhem com hospitais, empresas e na Administração Pública na área da saúde, assim como a profissionais de saúde que tomam decisões com relevância jurídica em relação aos seus doentes e a quem exerce funções de gestão de unidades de saúde ou em empresas deste setor.

A coordenação está a cargo de Maria João Estorninho, Sérgio Deodato e de Tiago Macieirinha e o curso está dividido em quatro módulos: direito fundamental à proteção da Saúde, relação jurídica da prestação de cuidados de Saúde, problemas ético-jurídicos da prestação de cuidados de Saúde e regime jurídico do medicamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Católica lança pós-graduação em Direito da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião