Nobel da Paz entregue a organização contra armas nucleares

  • ECO
  • 6 Outubro 2017

ICAN foi distinguida pelo seu trabalho na luta contra a proliferação das armas nucleares. Com dez anos de existência, a laureada já celebrou acordos com quase 500 organizações.

O prémio Nobel da Paz acaba de ser atribuído à Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN). A distinção foi entregue a esta organização por ter “chamado a atenção para as consequências humanamente catastróficas do uso de armas nucleares“.

A ICAN tem trabalho, desde 2007, no sentido da adesão e implementação integral do Tratado para a Proibição das Armas Nucleares, concretizado, em julho, nas Nações Unidas. A decisão do comité equivale a uma reprimenda aos noves poderes com armas deste tipo, que boicotaram as negociações para o acordo em causa, refere o The Guardian. “O trabalho não estará feito até que as armas nucleares não existam”, disse Beatrice Fihn, líder da organização premiada, à AFP, esta semana.

Nos últimos dez anos, quase 500 organizações (468) em mais de uma centena de países já celebraram parcerias com esta organização. O orçamento anual da ICAN ronda o milhão de dólares (852 mil euros), contando com doações de fundos privados, da União Europeia e de países como a Noruega, a Suíça, a Noruega, a Alemanha e o Vaticano.

A decisão do comité chega num momento, particularmente, crítico, com Donald Trump a ameaçar suspender o acordo nuclear com o Irão, o que inflamaria, de novo, o debate sobre as armas deste género.

Desde 1901, o prémio Nobel da Paz já foi atribuído a 131 laureados. Até agora, 16 mulheres já mereceram esta distinção. Malala Yousafzai, aos 17 anos, foi a pessoa mais nova a ser reconhecida. No ano passado, o prémio foi entregue a Juan Manuel dos Santos, economista e político colombiano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nobel da Paz entregue a organização contra armas nucleares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião