DBRS: Plataforma do malparado é um passo “positivo”, mas “curto”

A agência de notação financeira canadiana não espera que a criação desta plataforma resulte numa "redução significativa do elevado nível de malparado dos bancos".

A plataforma de gestão do crédito malparado, criada no mês passado pelo BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos (CGD), é um passo positivo, mas insuficiente para resolver os problemas da banca, considera a DBRS. A agência de notação financeira canadiana reconhece, ainda assim, que a plataforma deverá acelerar os processos de recuperação dos devedores.

“A DBRS vê a iniciativa acordada pelos três maiores bancos em Portugal para criar uma plataforma de gestão do malparado como um passo positivo, mas curto, para fortalecer os processos de recuperação”, refere a agência de rating, num comentário enviado esta manhã às redações. Assim, a agência não espera que a criação desta plataforma resulte numa “redução significativa do elevado nível de malparado dos bancos”.

Ainda assim, reconhece a DBRS, “o impacto nas contas dos três bancos deverá ser limitado, uma vez que os riscos serão mantidos nos respetivos balanços dos bancos”. Por outro lado, a plataforma não vai realizar vendas de retalho ou institucionais de malparado, mas “deverá acelerar o processo de recuperação dos devedores“.

A agência reconhece, ainda, que a banca portuguesa tem vindo a registar progressos nos últimos anos, sobretudo no primeiro semestre deste ano, mas sublinha que “é essencial” que os bancos nacionais continuem a reduzir o malparado.

O memorando assinado pelo BCP, Novo Banco e CGD prevê que a plataforma faça a gestão de créditos individuais acima de cinco milhões de euros, numa fase inicial. No futuro, outros bancos poderão associar-se, voluntariamente, a outra plataforma. O objetivo é recuperar créditos incobráveis e ajudar na recuperação das empresas endividados.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

DBRS: Plataforma do malparado é um passo “positivo”, mas “curto”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião