DBRS: Plataforma do malparado é um passo “positivo”, mas “curto”

A agência de notação financeira canadiana não espera que a criação desta plataforma resulte numa "redução significativa do elevado nível de malparado dos bancos".

A plataforma de gestão do crédito malparado, criada no mês passado pelo BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos (CGD), é um passo positivo, mas insuficiente para resolver os problemas da banca, considera a DBRS. A agência de notação financeira canadiana reconhece, ainda assim, que a plataforma deverá acelerar os processos de recuperação dos devedores.

“A DBRS vê a iniciativa acordada pelos três maiores bancos em Portugal para criar uma plataforma de gestão do malparado como um passo positivo, mas curto, para fortalecer os processos de recuperação”, refere a agência de rating, num comentário enviado esta manhã às redações. Assim, a agência não espera que a criação desta plataforma resulte numa “redução significativa do elevado nível de malparado dos bancos”.

Ainda assim, reconhece a DBRS, “o impacto nas contas dos três bancos deverá ser limitado, uma vez que os riscos serão mantidos nos respetivos balanços dos bancos”. Por outro lado, a plataforma não vai realizar vendas de retalho ou institucionais de malparado, mas “deverá acelerar o processo de recuperação dos devedores“.

A agência reconhece, ainda, que a banca portuguesa tem vindo a registar progressos nos últimos anos, sobretudo no primeiro semestre deste ano, mas sublinha que “é essencial” que os bancos nacionais continuem a reduzir o malparado.

O memorando assinado pelo BCP, Novo Banco e CGD prevê que a plataforma faça a gestão de créditos individuais acima de cinco milhões de euros, numa fase inicial. No futuro, outros bancos poderão associar-se, voluntariamente, a outra plataforma. O objetivo é recuperar créditos incobráveis e ajudar na recuperação das empresas endividados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS: Plataforma do malparado é um passo “positivo”, mas “curto”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião