Moody’s: Plataforma para resolver o malparado é positiva para o rating da banca portuguesa

  • Rita Atalaia
  • 2 Outubro 2017

A agência de notação diz que o malparado é "um obstáculo à qualidade de crédito dos bancos e desafia a solvência" das instituições. Por isso, a plataforma é "positiva" para o rating da banca.

A plataforma para resolver o crédito malparado nos bancos, nomeadamente do BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos (CGD), deve arrancar no início do próximo ano. Um passo que é “positivo” para o rating da banca portuguesa, afirma a Moody’s. O objetivo desta plataforma é resolver cada crédito em incumprimento em seis meses.

“A iniciativa é positiva para o rating [da banca] porque vai acelerar a recuperação destes ativos e reduzir o montante elevado de empréstimos em incumprimento nos balanços dos bancos portugueses”, afirma Pepa Mori à Bloomberg. A analista da Moody’s refere ainda que o crédito malparado é “atualmente um obstáculo à qualidade de crédito dos bancos e desafia a solvência” das instituições financeiras.

"A iniciativa é positiva para o rating [da banca] porque vai acelerar a recuperação destes ativos e reduzir o montante elevado de empréstimos em incumprimento nos balanços dos bancos portugueses.”

Pepa Mori, analista da Moody’s

O memorando de entendimento para a criação de uma plataforma de gestão do malparado já foi assinado. CGD, BCP e Novo Banco vão integrar esta solução que só vai gerir créditos individuais acima de cinco milhões numa fase inicial. Está previsto que esta solução arranque no início de 2018.

Para entrarem na plataforma de gestão de crédito malparado, estes empréstimos em incumprimento têm de cumprir uma série de critérios de elegibilidade. Assim que a plataforma for formalizada, cada banco vai apresentar uma lista dos processos que querem ver tratados na plataforma, cedendo assim a gestão dos créditos. Empréstimos que vão ser posteriormente analisados pela equipa para perceberem se cumprem todos os requisitos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s: Plataforma para resolver o malparado é positiva para o rating da banca portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião