Sede do CaixaBank sai da Catalunha e vai para Palma

Reunião do conselho de administração do CaixaBank vai decidir retirar a sede do banco da Catalunha. O El País revela que a escolha recai sobre Palma de Maiorca. No banco há quem preferisse Madrid.

O CaixaBank realiza esta tarde de sexta-feira uma reunião do conselho de administração para retirar a sede social do banco da Catalunha. Palma de Maiorca é a cidade escolhida para a nova localização, segundo fontes citadas pelo El País (acesso livre/conteúdo em espanhol).

A decisão não é unânime já que dentro do banco há quem defenda que a Madrid seria a melhor opção, até porque a instituição já lá tem a filial MicroBank. A opção Palma de Maiorca justifica-se mais do ponto de vista político, porque a escolha pela capital espanhola poderia ser interpretada como uma mensagem muito dura, mas também porque está ligada às origens do banco — em 1904 foi criada a Caja de Ahorros y Pensiones de Cataluña y Baleares — e ao facto de as ilhas estarem no âmbito cultural e linguístico catalão.

O banco liderado por Jordi Gual vai utilizar o decreto-lei com caráter de urgência, que permita às administrações das empresas com sede em Barcelona uma decisão de mudança de sede sem a obrigação de consulta dos acionistas. Este decreto deverá ser aprovado esta manhã em Conselho de Ministros, avança também o mesmo jornal espanhol.

O CaixaBank, o terceiro maior banco de Espanha, decidiu assim pôr um ponto final na incerteza e desconforto que o processo independentista da Catalunha está a gerar entre os seus clientes, dentro e fora da Catalunha, e que levou mesmo alguns aforradores a resgatar parte dos depósitos. O banco garante que são “valores geríveis”, diz o El País.

Ao contrário do Sabadell que pode mudar a sua sede social apensas com a luz verde do conselho, o que permite que a decisão seja efetiva num espaço de 24 horas, o CaixaBank precisou da ajuda do Governo para tornar este processo célere. O decreto que deverá ser aprovado esta manhã em Conselho de Ministro elimina um dos passos, que estenderia os trâmites burocráticos por mais de um mês. O El Confidencial (acesso livre/conteúdo em espanhol) revelou na quinta-feira que o conselho de administração do grupo financeiro terá pedido ao Governo para mudar a lei como medida de urgência. Porque o governo catalão – o Generalitat – deixou saber que vai declarar unilateralmente a independência da Catalunha na próxima segunda-feira.

O CaixaBank tem uma rede de mais de 5.400 balcões, dos quais 1.390 estão na Catalunha, possuindo 15,8 milhões de clientes, dos quais cerca de dois milhões são do BPI e tem um total de 37.336 trabalhadores.

O grupo catalão teve um lucro de 839 milhões de euros no primeiro semestre de 2017, mais 31,6% que em igual período do ano passado e geriu nesse período cerca de 350.000 milhões de euros de recursos dos clientes. Além disso, tem empréstimos avaliados em mais de 228.000 milhões de euros. O grupo financeiro cresceu muito nos últimos anos, especialmente durante a crise económica, graças a diversas aquisições, como a Caixa Girona, Bankpyme, Banca Cívica, Banco de Valencia, o negócio do Barclays em Espanha e, mais recentemente, o BPI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sede do CaixaBank sai da Catalunha e vai para Palma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião