Ataque cibernético na Delloite chegou a mais de 300 clientes… incluindo o Governo dos EUA

  • ECO
  • 10 Outubro 2017

As repercussões do ataque cibernético à Deloitte são superiores ao comunicado no mês passado. O ataque informático poderá ter chegado a mais de 300 clientes, incluindo o Governo norte-americano.

Afinal não foram “poucos” os afetados com o ataque informático à Deloitte no final do mês de setembro. Segundo o jornal The Guardian, a invasão dos hackers chegou aos emails de cerca de 350 clientes, entre os quais quatro departamentos do Governo norte-americano, as Nações Unidas, e atingiu a correspondência eletrónica de grandes multinacionais. Fontes próximas da empresa contam que esta ainda não tem a certeza completa da informação retirada no ataque.

Embora apenas seis clientes tenham admitido ser afetados pelo ciberataque, a mesma fonte afirmou ao jornal que a lista de lesados é mais extensa. Entre os quais encontram-se os departamentos de Estado, da Energia, da Segurança Interna e da Defesa do Governo norte-americano. Ainda nos Estados Unidos, foram afetados o Serviço de Correios, os Institutos Nacionais de Saúde, e os gigantes imobiliários “Fannie Mae” e Freddie Mac”. A lista de grandes empresas comprometidas pelo ataque continua, nomeadamente com a Fifa, três companhias aéreas, dois fabricantes automóveis multinacionais, companhias energéticas e empresas farmacêuticas.

O ataque informático à Deloitte foi primeiramente anunciado no final de setembro. A entrada dos hackers foi identificada em março, e os acessos datariam de outubro ou novembro do ano passado. O acesso teve lugar no escritório da Deloitte em Nashville (Tennessee), através de uma conta de administrador, dando acesso a toda a base de dados de emails. A empresa contou ao ECO que “poucos clientes foram afetados”. A Deloitte procedeu a um “extenso protocolo de segurança” e conseguiu apurar “de forma detalhada, qual a informação que estava em risco, o que de facto aconteceu e verificar que poucos clientes foram afetados”, afirmou.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Ataque cibernético na Delloite chegou a mais de 300 clientes… incluindo o Governo dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião