Juan Luis Cebrián deverá ser substituído na liderança da Prisa

O histórico gestor e fundador do El País deverá deixar de ser o chairman da Prisa esta sexta-feira, avança o jornal espanhol El Confidencial.

Juan Luis Cebrián, o chairman da Prisa, estará de saída da empresa como forma de desbloquear um novo aumento de capital. O histórico jornalista e gestor, fundador do jornal El País, deverá ser substituído por Javier Monzón no conselho de administração marcado para esta sexta-feira, “salvo surpresa de última hora”, avança o jornal espanhol El Confidencial.

A Prisa é a empresa espanhola que detém a Media Capital em Portugal. A empresa atravessa sérias dificuldades financeiras e está a tentar vender a dona da TVI à Meo/Altice. A saída de Cebrián de um cargo executivo (deverá manter-se como presidente honorífico do El País) dá início a um profundo plano de reestruturação da empresa, que se vê a braços com uma dívida avultada que vence já em 2018.

Javier Monzón é o ex-presidente da tecnológica espanhola Indra e atual conselheiro do Santander. De acordo com o El Confidencial, o seu nome é bem visto por alguns dos principais acionistas da Prisa. No entanto, o descontentamento será grande face às perdas milionárias que registam desde que entraram no capital do grupo de media espanhol.

A saída de Cebrián, escreve o jornal, era condição sine qua non para que os acionistas aceitassem participar na reestruturação, que prevê novo aumento de capital de 400 milhões de euros que, somando aos 440 milhões de euros que o grupo espera receber da Altice pela Media Capital, seriam suficientes para fazer frente às dívidas. Como nota o El Confidencial, a capitalização bolsista da Prisa cifra-se atualmente nos 280 milhões de euros.

Na reunião dos acionistas esta sexta-feira, espera-se assim que seja aprovada a substituição de Cebrián e aprovado o aumento de capital.

(Notícia atualizada às 12h38 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juan Luis Cebrián deverá ser substituído na liderança da Prisa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião