Operação Marquês: “Ricardo Salgado não cometeu qualquer crime”

Defesa de ex líder do BES não poupa críticas à Procuradoria-Geral da República. Ricardo Salgado e advogados não prestaram qualquer declaração na conferência de imprensa desta quinta-feira.

“Ricardo Salgado não cometeu qualquer tipo de crime e levaremos até às últimas consequências a sua defesa”. As palavras são de Francisco Proença de Carvalho, advogado de Ricardo Salgado, numa conferência de imprensa realizada hoje, em Lisboa. Uma conferência sem direito a questões. “Esperemos que seja garantido à defesa um prazo razoável”, disse o mesmo advogado. Ricardo Salgado não prestou qualquer declaração, mesmo perante a insistência dos jornalistas.

Estas declarações surgem no dia seguinte à acusação do Ministério Público da denominada Operação Marquês.

O antigo líder do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, terá ordenado o pagamento de luvas ao ex-primeiro-ministro José Sócrates que, entre 2006 e 2009, terá acumulado 24 milhões de euros na Suíça, segundo o Ministério Público (MP). Além de Sócrates, Salgado terá ordenado pagamentos a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro que, à data dos factos, exerciam funções na administração da Portugal Telecom (PT). Nessa mesma acusação, o ex-líder do José Sócrates foi também acusado de 31 crimes.

“Ricardo Salgado confirma que foi notificado ainda que irregularmente. O meu cliente tem colaborado para o esclarecimento da verdade. Esse respeito institucional, que sempre foi matriz da vida do Ricardo Salgado, tem-se mantido apesar das constantes violações por parte do MP”, explicou Francisco Proença de Carvalho.

Ricardo não praticou qualquer tipo de crime e esta acusação é infundada. O processo não tem nem pode ter provas desses crimes. Só muito recentemente é que o nome do meu cliente saiu na imprensa, a partir de notícias plantadas.

Francisco Proença de Carvalho

Advogado de Ricardo Salgado

“Neste, como em outros processos, o MP tem o conforto de saber que o juiz de instrução, em regra, limita-se a aderir ou aceitar tudo o que é requerido ou ir até mais longe que o Ministério Público. Mesmo antes de qualquer acusação, quem conduz as investigações tem tentado pressionado o meu cliente. Com arrestos indeterminados e pomposamente divulgados pela PGR”, concluiu a defesa de Ricardo Salgado.

Francisco Proença de Carvalho admitiu que, ao longo deste processo, testemunhou “a força, firmeza, coragem e dignidade do meu cliente no período bastante complicado nesta fase da sua vida”.

E justificou ainda que “os factos, as provas e o direito numa democracia só devem ser discutidos em tribunal, esse é o local próprio. Por isso não respondemos a questões”.

A defesa do ex-líder do BES espera ainda que “as estratégias de contaminação da opinião pública não impeçam que verdadeiros Juízes possam um dia fazer o juízo que se impõe: sereno, objetivo e no estrito respeito pela legalidade. Só assim se pode fazer Justiça num país democrático e livre”, numa crítica implícita ao juiz de instrução de Carlos Alexandre, que até aqui foi o juiz de instrução responsável pelo processo.

Francisco Proença de Carvalho disse ainda que “o processo não tem, nem pode ter, factos e provas de qualquer crime. Repare-se que tendo o inquérito durado mais de quatro anos, só muito recentemente é que o nome do Dr. Ricardo Salgado surgiu no processo, a partir de notícias plantadas na imprensa, numa tentativa de o envolver num caso a que é absolutamente alheio”.

A conferência contou ainda com a presença do advogado Adriano Squilacce.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operação Marquês: “Ricardo Salgado não cometeu qualquer crime”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião