Preço da eletricidade vai baixar 0,2%. É a primeira descida em 18 anos

A ERSE propõe uma redução dos preços da eletricidade no próximo ano. A redução de 0,2% entrará em vigor a 1 de janeiro.

A fatura da eletricidade vai descer no arranque do ano. A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) propõe que os preços baixem em 0,2% a partir de 1 de janeiro de 2018, sendo esta a primeira redução de preços em 18 anos. A redução será, contudo, quase impercetível para os consumidores: numa fatura de 45,70 euros, a descida é de nove cêntimos.

“A variação entre 2017 e 2018 das tarifas de venda a clientes finais em Baixa Tensão Normal (BTN) dos comercializadores de último recurso proposta ao Conselho Tarifário é de uma redução de 0,2%“, refere o comunicado do regulador do setor energético. É preciso recuar ao ano 2000 para encontrar uma descida no valor da eletricidade.

O Governo assinalou “com apreço a descida, pela primeira vez, nos últimos 18 anos, da tarifa da eletricidade destinada às famílias”. Em comunicado, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, salientou que “esta é a segunda vez consecutiva que os consumidores nacionais beneficiam deste pacote legislativo com vista a controlar custos do sistema elétrico”.

Na mesma nota, citada pela Lusa, o governante destaca ainda “o conjunto de medidas legislativas aprovadas pelo Governo para reforçar a transparência, rigor e competitividade dos preços da eletricidade”.

“Esta variação tarifária para 2018 resulta da conjugação de vários fatores com impactos em sentidos opostos”, nota a ERSE, apontando para o serviço da dívida, a evolução do custo dos combustíveis, as transferências do Fundo de Sustentabilidade Sistémica do Setor Energético, a revisão do nível eficiência exigido pela regulação e medidas legislativas mitigadoras de custos.

Esta redução terá, contudo, um efeito prático muito pouco percetível para os consumidores. “A expressão, nos orçamentos familiares, da redução subjacente à proposta de tarifas de venda a clientes finais transitórias para 2018 é de 0,09 euros, para uma fatura média mensal de 45,70 euros”, refere a ERSE.

“Quanto às tarifas sociais de venda a clientes finais em BTN dos comercializadores de último recurso aplicáveis em todo o território nacional beneficiam de um desconto de 33,8% em relação às tarifas de venda a clientes finais, estabelecido por despacho do membro do Governo responsável pela área da energia”, acrescenta.

Os consumidores abrangidos pelas tarifas sociais de venda a clientes finais, uma vez que já contam com um desconto de 33,8% nas tarifas, ainda sentirão uma redução menos expressiva. Estes clientes “terão uma redução na fatura mensal de eletricidade no valor de 0,05 euros, para uma fatura média mensal de 20,40 euros”, remata a ERSE.

(Notícia atualizada às 19h43 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço da eletricidade vai baixar 0,2%. É a primeira descida em 18 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião