Morais Leitão distinguida pelo IFLR1000. 15 advogados distinguidos

  • ADVOCATUS
  • 17 Outubro 2017

A sociedade de advogados Morais Leitão está referenciada no International Financial Law Review. A sociedade foi premiada em cinco categorias.

A sociedade de advogados Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva (MLGTS) foi reconhecida pelo diretório International Financial Law Review (IFLR1000). A publicação destacou no seu ranking para 2018 um total de 15 advogados e deu nota máxima (tier 1) em cinco áreas de atividade.

O diretório especializado em matérias financeiras e que serve de referência aos profissionais do setor atribuiu nota tier 1 à sociedade MLGTS em Banking and finance, Capital markets, M&A, Project finance e Project development.

“É com satisfação que recebo a notícia, em particular por se revelar um reconhecimento do nosso trabalho na área de energia. A área de prática de energia tem já uma história de décadas no escritório e é claramente uma área com a qual o mercado nos identifica e uma contínua aposta da MLGTS”, segundo disse à Advocatus Catarina Brito Ferreira, advogada que ganhou o prémio de rising star.

Quanto ao número de advogados, a publicação destacou 15 profissionais, mais cinco que no ano passado.

Advogados distinguidos, por área de atividade

  • João Soares da Silva, em Capital Markets: Equity, e M&A;
  • Luís Branco, em Banking;
  • Carlos Osório de Castro, em Capital markets: Equity e M&A;
  • Nuno Galvão Teles, em M&A;
  • Luísa Soares da Silva, em Capital markets: Equity e Capital markets: Structured finance and securitisation;
  • Filipe Lowndes Marques, em Investment, Banking e Project Finance;
  • João Alfredo Afonso, em Capital markets: Equity e M&A, Financial restructuring;
  • Ricardo Andrade Amaro e Eduardo Paulino, em Capital markets: Equity e M&A;
  • Catarina Brito Ferreira (rising star);
  • Pedro Gorjão Henriques e Helena Soares de Moura, em Restructuring and insolvency;
  • Ana Monjardino e Cláudia Castanheira dos Santos, em Project development, Capital markets: Structured finance and securitisation, M&A, e Project finance;
  • Cláudia Santos Cruz, em Energy and infrastructure, Project development, Banking, Project finance e M&A.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morais Leitão distinguida pelo IFLR1000. 15 advogados distinguidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião