Liberdade de expressão e de imprensa discutidas na MLGTS

Joana Marques Vidal, sócios da MLGTS, advogados, um juiz do Tribunal Constitucional e jornalistas debatem o tema nos dias 25 de outubro e 8 de novembro, em Lisboa

“Liberdades de imprensa e de expressão: que papéis, que efeitos, que fronteiras e limites?” é um dos motes para a conferência que decorre – dia 25 de outubro e dia 8 de novembro – na Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados, em Lisboa. Um encontro com a chancela do Instituto Miguel Galvão Teles e que terá a presença da titular da investigação criminal, Joana Marques Vidal.

A primeira sessão – que decorrerá na sede do escritório em Lisboa no dia 25 de outubro – será inaugurada por Nuno Galvão Teles, managing partner da MLGTS. Segue-se a intervenção do sócio Rui Patrício (na foto) e do magistrado do Tribunal Constitucional, Gonçalo Almeida Ribeiro.

Sessão que será encerrada por Carlos Magno (da ERC) e Sofia Branco (do Sindicato dos Jornalistas).

No dia 8 de novembro, a MLGTS abre a sessão com o discurso de João Soares da Silva, chairman do escritório. E contará ainda com o discurso da Procuradora-Geral da República. António Costa (Publisher do ECO) será um dos moderadores do debate. Que conta ainda com o advogado da Cuatrecasas, Paulo Sá e Cunha, a advogada Isabel Duarte e o Procurador João Aibéo. O encerramento estará a cargo de Filipe Alves ( do Jornal Económico) e Pedro Lomba, da PLMJ.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Liberdade de expressão e de imprensa discutidas na MLGTS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião