Crise da manteiga em França leva consumidores a correr às lojas

  • ECO
  • 30 Outubro 2017

Os supermercados franceses recusam-se a aumentar os preços da manteiga, obrigando os fornecedores a redirecionar as suas vendas para o estrangeiro.

Os famosos croissants franceses poderão estar em perigo, mas por pouco tempo. Com a falta de oferta de manteiga nos supermercados, os franceses, considerados os maiores consumidores de manteiga per capita, têm corrido para as grandes superfícies comerciais nas últimas semanas para garantir nas suas casas o ingrediente principal de grande parte das iguarias da pastelaria nacional.

“A questão é puramente francesa”, explica Thierry Roquefeuil, presidente da federação de produtores de leite FNPL, à Bloomberg, decorrente de uma “guerra de preços entre retalhistas franceses”. A diminuição da procura mundial, bem como da oferta, fez subir os preços da manteiga. Com a recusa do aumento dos preços por parte dos retalhistas em França, os fornecedores foram obrigados a escoar o seu stock para o estrangeiro, continua Roquefeuil.

De 2016 para 2017, os preços da manteiga quase triplicaram de 2.500 euros para os 7.000 euros por tonelada, segundo a consultora Agritel, citada pela mesma agência. O produto laticínio rondou os 6.500 euros por tonelada no passado mês de setembro.

A situação já chegou ao parlamento francês. Stephane Travert, ministro da Agricultura, espera um acordo em breve entre produtores e vendedores. “Eu quero garantir a todos os consumidores que em breve encontrarão manteiga nas prateleiras das lojas, e que não serão privados deste bem francês que faz as honras das mesas francesas e que é o orgulho da produção de laticínios em França”, comunicou o ministro na passada quarta-feira.

Segundo o grupo de retalhistas franceses, a crise da manteiga será breve, à medida que a produção de leite deverá subir e o preço do ingrediente chave da pastelaria francesa poderá descer.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crise da manteiga em França leva consumidores a correr às lojas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião