EUA: Ex-diretor de campanha de Trump entrega-se às autoridades

  • Juliana Nogueira Santos
  • 30 Outubro 2017

A investigação em torno do papel dos russos nas eleições norte-americanas poderá já ter feito uma vítima. É Paul Manafort, antigo diretor de campanha do agora presidente, acusado de 12 crimes.

Paul Manafort está a ser acusado de conspiração contra os Estados Unidos.Patrick Fallon/Bloomberg

Paul Manafort, antigo diretor de campanha do agora presidente dos EUA, entregou-se ao FBI após ter recebido uma ordem federal para tal. A ordem incluía também um dos seus sócios, Rick Gates. Manafort dirigiu-se às instalações do FBI durante a manhã, acompanhado pelo seu advogado, sabendo-se já que este está a ser acusado de 12 crimes, incluindo conspiração contra os Estados Unidos e branqueamento de capitais.

A ordem foi avançada esta segunda-feira pelo New York Times, que citava fontes próximas da investigação especial levada a cabo por Robert Mueller. Em causa estarão as ligações entre a Rússia e a equipa de Trump durante a campanha eleitoral do ano passado. O nome do sócio do republicano, Rick Gates, terá surgido em documentos que provam que este recebeu pagamentos de políticos e empresários da zona Leste da Europa.

Estas detenções tornam mais escura a nuvem que continua a assombrar o primeiro ano de Donald Trump na Casa Branca e aumenta a suspeição em torno daintromissão do Kremelin nas eleições presidenciais de 2016. O nome de Paul Manafort já tinha surgido nos e-mails trocados entre o filho do presidente e Rob Goldstein como um dos presentes numa reunião que juntou uma advogada russa ligada ao Governo de Putin e membros da campanha de Trump.

Manafort esteve à frente da campanha de Trump durante alguns meses, tendo sido afastado pelo republicano após ter sido noticiado que este teria recebido 12 milhões de euros de individualidades pró-Rússia. Além disto, o empresário está a ser investigado por violações de leis fiscais e más práticas de lóbi no estrangeiro.

(Notícia corrigida às 12h53 com a informação de que Manafort já se entregou às autoridades e atualizada pela última vez às 13h24.)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA: Ex-diretor de campanha de Trump entrega-se às autoridades

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião