Fed e Rússia atiram bolsas americanas para o vermelho

As principais praças americanas estão em queda. A presidência do Fed, reunião dos três grandes bancos centrais e a interferência da Rússia na eleição de Trump deixaram investidores receosos.

Depois de terem fechado a semana passada em alta, as bolsas norte-americanas fecharam esta segunda-feira no vermelho, com os investidores na expectativa sobre quem será o novo líder do banco central dos Estados Unidos e sobre os dados do emprego, que serão divulgados no final da semana. A questão da Rússia e a sua influência sobre o eleição de Donald Trump também está a deixar os investidores cautelosos, isto no dia em que o antigo diretor de campanha de Donald Trump se entregou às autoridades.

O S&P 500 recuou 0,32% para 2.572,83 pontos. Já o tecnológico Nasdaq fixou-se nos 6.698,96 pontos, uma queda de 0,03%. Quanto ao industrial Dow Jones sofreu uma queda de 0,36% para os 23.348,74 pontos. Estas quedas acontecem depois do S&P e do Dow Jones terem registado sete semanas consecutivas de ganhos, já o Nasdaq caiu ligeiramente, depois de ter registado na semana passada o melhor ganho em quase um ano.

Os investidores estão na expectativa de quem será o nome escolhido para liderar a Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed), que deverá ser anunciado na próxima sexta-feira. A expectativa adensa-se já que existem rumores, cada vez mais fortes, de que o nome escolhido poderá ser Jerome Powell, um economista que defende taxas de juro mais baixas.

A juntar à incerteza sobre quem será o sucessor de Janet Yellen, há ainda a reunião do banco central americano marcada para dia 1 de novembro, com os analistas contactados pela Bloomberg a anteciparem que não haverá subida dos juros deste mês, devendo este subir, mas em dezembro.

Mas no capítulo dos bancos centrais não é tudo. As reuniões que vão juntar os três grandes bancos centrais (Fed, Banco de Inglaterra e Banco do Japão) também estão a deixar os investidores cautelosos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed e Rússia atiram bolsas americanas para o vermelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião