Tecnológicas dão novos máximos a Wall Street

As bolsas norte-americanas fecharam a sessão desta sexta-feira com ganhos expressivos. O S&P 500 e o Nasdaq atingiram novos máximos, suportados em resultados robustos de empresas tecnológicas.

As bolsas norte-americanas fecharam a semana no verde, com dois dos três índices renovaram novos máximos suportados em resultados positivos de algumas gigantes do setor tecnológico. A economia dos Estados Unidos, que cresceu mais do que se esperava, também deu gás às bolsas.

O S&P 500 avançou 0,81% para 2.581,07 pontos, tendo atingido um máximo histórico de 2.582,98 pontos no decorrer da sessão. Já o tecnológico Nasdaq teve uma sessão como já não via desde novembro de 2016. O índice avançou 2,20% para 6.701,26 pontos, atingindo também um máximo histórico nos 6.708,13 pontos. Quanto ao industrial Dow Jones, valorizou 0,14% para 23.434,19 pontos, aproximando-se do pico alcançado na última terça-feira, num dia de forte valorização do preço do petróleo.

Em Nova Iorque, o preço da matéria-prima subia 2,51% para 53,96 dólares o barril, enquanto em Londres, o Brent ultrapassou mesmo os 60 dólares, algo que não acontecia há dois anos. Os investidores estarão otimistas quanto a um eventual travão à produção por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), contribuindo ainda para esta subida a instabilidade no Iraque.

Contudo, foram mesmo os resultados robustos das empresas tecnológicas o principal fator a pintar as bolsas de verde. Como o ECO explicou aqui, cinco das maiores empresas do setor bateram as estimativas dos analistas quanto às contas do terceiro trimestre. A Amazon terminou os três meses com vendas de 43,7 mil milhões de dólares, um crescimento de 34%. Já a Alphabet, dona da Google, registou receitas de 27,77 mil milhões de dólares e lucros de 9,57 dólares por ação, enquanto os analistas apontavam para um valor bem inferior: 8,34 dólares por título.

Do lado dos indicadores económicos, os norte-americanos suspiraram de alívio ao saber que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 3% no terceiro trimestre deste ano em termos homólogos, contra as estimativas que apontavam para uma desaceleração para 2,6%. O número contrasta com os 3,1% de crescimento no trimestre anterior, em comparação com os mesmos três meses de 2016.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnológicas dão novos máximos a Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião