Coca-Cola quer reduzir açúcar das bebidas até 2020

  • Lusa
  • 31 Outubro 2017

Aposta da marca passa pela introdução de novas bebidas sem açúcar e pelo crescimento de bebidas sem açúcar que já existem. Nova taxa sobre nível de açúcar nas bebidas não foi determinante, mas ajudou.

O grupo Coca-Cola quer reduzir em 12% o nível de açúcar na oferta de bebidas que detém até 2020, sobretudo através da introdução de novas bebidas ou do crescimento das bebidas light e com zero açúcares, foi divulgado esta terça-feira.

Numa apresentação da nova estratégia, o diretor de Nutrição e Saúde da Coca-Cola Ibéria (que junta os mercados de Portugal e Espanha), Rafael Urrialde, disse que o objetivo do grupo é até 2020 reduzir 12% o teor de açúcar por litro na oferta total de bebidas em Portugal, que é composta por mais de 100 referências, incluindo as marcas Coca-Cola, Fanta, Powerade e Nestea, das quais 28 são sem açúcar adicionado, incluindo uma água.

Nos últimos 16 anos, referiu, a Coca-Cola em Portugal conseguiu reduzir em 23% o nível de açúcar ou calorias por litro do total de vendas das bebidas da companhia, porque “cada vez existe mais bebidas sem açúcar” além da introdução de uma água no portfólio do grupo (a Aquabona), em 2002.

Será também pela “introdução de novas bebidas sem açúcar ou do crescimento de bebidas [sem açúcar] que já existem” que essa redução de 12% acontecerá, disse à agência Lusa o diretor de Relações Externas da Coca-Cola Portugal, Tiago Lima.

De acordo com os números divulgados hoje, as bebidas sem açúcar no portefólio total da Coca-Cola em Portugal representaram 21% do total de vendas (incluindo a água) em setembro deste ano, sendo que as variedades Coca-Cola light e Zero representaram 28% do total das vendas da marca Coca-Cola.

Questionado sobre se esta decisão é influenciada pela introdução, em fevereiro deste ano, de um novo imposto sobre o nível de açúcar nas bebidas, Tiago Lima disse que não foi determinante, mas que a nova taxa ajuda.

“Acho que o imposto contribuiu para darmos um passo em frente e esta visão que estamos a ter ajuda-nos a trabalhar num mercado, sabendo que o novo imposto é uma realidade, mas cabe-nos a nós, indústria, adaptar à realidade de cada mercado e é assim que encaramos. Achamos que o caminho que apresentámos hoje é o correto: em primeiro lugar, a redução de calorias. É isso que consumidores têm dito”, afirmou o responsável da Coca-Cola Portugal.

Ainda assim, recordou, esta visão foi apresentada a nível mundial em abril deste ano: “Quando estamos em 200 países não é uma realidade igual para todos os mercados – há uns que não têm o imposto e outros têm, como o mercado português”.

Questionado sobre impactos do alargamento do Imposto sobre o Álcool e as Bebidas Alcoólicas (IABA) aos refrigerantes, Tiago Lima admitiu que “as bebidas açucaradas têm caído e isso tem sido compensado por uma transferência [dentro da companhia] para as bebidas sem açúcar”.

Segundo a proposta de Orçamento do Estado de 2018 (OE2018), entregue em 13 de outubro na Assembleia da República, o Governo pretende aumentar até 1,5% o imposto a pagar pelos refrigerantes no próximo ano, depois de ter alargado este ano o âmbito do IABA.

Em 2018, o Governo pretende taxar a 8,34 euros por hectolitro (100 litros) as bebidas cujo teor de açúcar seja inferior a 80 gramas por litro e a 16,69 euros por hectolitro as bebidas cujo teor de açúcar seja igual ou superior a 80 gramas por litro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coca-Cola quer reduzir açúcar das bebidas até 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião