Imposto sobre o açúcar leva a quebra de 6% no consumo de refrigerantes

Os mais afetados foram no volume de vendas foram os sumos sem gás diluídos com uma quebra de 15,7% e as colas com uma diminuição de 13,6%.

A introdução de uma fat tax foi uma das medidas mais emblemáticas do Orçamento do Estado para 2017. O imposto sobre os açúcares foi efetivamente introduzido em fevereiro de 2017 e os resultados foram imediatos: os preços dos refrigerantes subiram e o consumo desceu, revelam os dados da Nielsen divulgados esta terça-feira.

No primeiro semestre de 2017 houve uma quebra homóloga de 6% no volume de vendas de refrigerantes e um aumento de preços de 14% — uma contabilização que não tem em conta as promoções — e, consequentemente, um aumento de 13% no valor das vendas.

Vendas caem 6% no primeiro semestre

Recorde-se que as empresas produtoras de refrigerantes se manifestaram duramente contra esta medida. A Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA) considerou a medida “discriminatória e populista” e sem “qualquer efeito comprovado ao nível da saúde pública”. A Coca-Cola travou mesmo a expansão da unidade de produção de Azeitão, um projeto avaliado em 40 milhões de euros. A Coca-Cola considerava que este novo imposto sobre os refrigerantes era inconstitucional.

A preocupação da multinacional era justificada. Segundo os dados da Nielsen, o consumo de colas foi dos mais afetados com uma quebra no volume de vendas de 13,6%. Pior só mesmo a quebra homóloga nos seis primeiros meses do ano de 15,7% dos sumos sem gás diluídos. Já em termos de aumento de preços também foram os mais significativos: 21,3% e 31,2%, respetivamente.

Margarida Baptista, client consultant senior na Nielsen, lembra que o efeito mais drástico foi a primeira semana de implementação da medida. Nas quatro semanas a seguir à criação do imposto registou-se um aumento de dez cêntimos no preço médio das soft drinks — refrigerantes (com ou sem gás), néctares e 100%, sumos refrigerados, bebidas energéticas e isotónicas, bebidas mixing e sumos de fruta com leite — e uma quebra em volume de 13,1%.

A clara quebra de volumes, especialmente na primeira semana, comprova que o preço é um fator importante para o consumidor português”, diz Margarida Baptista. “Os segmentos não afetados por este imposto (como os Néctares 100%) apresentam aumentos de preço menos significativos e, consequentemente, crescimentos de volume que contrariam a tendência negativa dos soft drinks“, acrescenta. “De salientar ainda que também a crescente preocupação dos consumidores pela saúde e a procura por produtos saudáveis vêm potenciar os decréscimos registados nos refrigerantes e os crescimentos dos néctares e 100%”, explica a responsável.

"Os segmentos não afetados por este imposto (como os Néctares 100%) apresentam aumentos de preço menos significativos e, consequentemente, crescimentos de volume que contrariam a tendência negativa dos soft drinks.”

Margarida Baptista

Client consultant senior na Nielsen

Segundo um inquérito online da Nielsen, metade dos consumidores portugueses admitem que o tipo de açúcar/adoçante utilizado pode influenciar a sua decisão de compra e que as preocupações começam mesmo antes da compra — 60% dos consumidores admitiram que estão atentos aos valores de açúcar presentes na tabela nutricional deste tipo de produtos e 50% que sabem a quantidade de açúcar ingerido em cada bebida.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imposto sobre o açúcar leva a quebra de 6% no consumo de refrigerantes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião