Fed vê economia a evoluir “a ritmo sólido”, mas mantém a taxa de juro

A instituição liderada por Janet Yellen reconhece que a atividade económica dos Estados Unidos está a evoluir a um "ritmo sólido", apesar dos furacões que assolaram o país nos últimos meses.

A Reserva Federal norte-americana decidiu manter a taxa de juro inalterada, por agora. Contudo, a instituição liderada por Janet Yellen reconhece que a atividade económica dos Estados Unidos está a evoluir a um “ritmo sólido”, mesmo tendo em conta o impacto dos furacões que assolaram o país nos últimos meses, e, por isso, admite aumentar de forma gradual a taxa de juro diretora num futuro próximo.

O mercado laboral continua a fortalecer-se e a atividade económica tem evoluído a um ritmo sólido, apesar das perturbações causadas pelos furacões. Apesar de os furacões terem provocado uma quebra no trabalho remunerado em setembro, a taxa de desemprego voltou a cair. O consumo das famílias tem aumentado a um ritmo moderado e o investimento das empresas recuperou nos últimos trimestres”, refere a Fed, em comunicado emitido esta quarta-feira, depois da última reunião de política monetária. Contudo, nota, a inflação permanece “fraca”.

Assim, a taxa de juro fica no mesmo intervalo, mas a porta fica aberta para que seja revista em alta em dezembro. “Tendo em conta as condições do mercado de trabalho e da inflação, o Comité decidiu manter a taxa de juro no intervalo de 1% a 1,25%. A orientação da política monetária vai manter-se acomodatícia, para suportar um reforço das condições do mercado de trabalho e apoiar o retorno da inflação para os 2%”, nota a Fed.

O Comité admite esperar que “as condições económicas evoluam de forma a permitir aumentos graduais da taxa dos fundos federais”. Ainda assim, ressalva, este aumento “vai depender das perspetivas económicas”.

O comunicado da Fed surge na véspera do dia marcado por Donald Trump para anunciar o sucessor de Janet Yellen na liderança do banco central norte-americano. O presidente dos Estados Unidos afirmou já que fez um trabalho “excelente”, mas não diz se vai reconduzi-la no cargo. Fontes ouvidas pela imprensa norte-americana têm apontado, nos últimos dias, para o governador da Fed Jerome Powell, cuja visão de política monetária está alinhada com a de Janet Yellen.

(Notícia atualizada às 18h30 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed vê economia a evoluir “a ritmo sólido”, mas mantém a taxa de juro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião