Fed poderá ter de acelerar subida dos juros, diz Yellen

Folga no mercado laboral poderá obrigar a Reserva Federal a acelerar a subida dos juros, não sendo propriamente preciso atingir a meta de 2% da taxa de inflação.

A líder da Reserva Federal norte-americana, Janet Yellen, diz que não é propriamente preciso atingir a meta de 2% de inflação para que sejam realizadas novas mexidas nos juros, deixando em cima da mesa um cenário em que a entidade poderá ter de acelerar a subida das taxas.

Num discurso intitulado “Inflação, Incerteza e Política Monetária”, inserido no encontro anual da National Association for Business Economics, a chefe da Fed explicou que o comité poderá ter errado nas perspetivas que tinha acerca da inflação. No entanto, tendo em conta que continua a ser gerado emprego a uma velocidade superior à procura, será necessário continuar a subir as taxas de juro para evitar que o mercado laboral sobreaqueça e obrigue a uma subida demasiado acentuada.

Janet Yellen reconheceu que a Fed poderá ter avaliado mal as forças por detrás da inflação e, por isso, é preciso estar a postos para alterar políticas em conformidade. “Temos de nos manter alerta e preparados para modificar as nossas perspetivas com base no que formos descobrindo”, apontou. Pressões em baixa sob a inflação “poderão mostrar-se surpreendentemente persistentes” e as perspetivas sobre a economia estão sujeitas a uma “incerteza considerável”, referiu Yellen.

O comité acredita que o nível da inflação vá estabilizar nos 2% ao longo dos próximos anos. No entanto, Yellen deixou um alerta: existe uma “probabilidade considerável” de o cenário ser “notoriamente diferente”. “[Estabilizar a inflação nos 2%] poderá ser mais difícil do que o esperado”, sublinhou a líder da Reserva Federal.

E porquê esse cenário de incerteza? Yellen aponta quatro grandes fatores: o comércio online, o aumento da concorrência e da integração da China, o crescimento sustentado em cuidados de saúde e a continuidade da folga no mercado laboral — esta última variável significa que a economia poderá suportar uma nível de desemprego mais alto do que o antecipado até agora.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed poderá ter de acelerar subida dos juros, diz Yellen

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião