Seca: Armazenamento abaixo de 40% em metade das albufeiras

  • Lusa
  • 1 Novembro 2017

Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos revela que se regista uma descida da água armazenada em 10 bacias hidrográficas.

Quase metade de 60 albufeiras do país têm disponibilidades hídricas inferiores a 40% do volume total, segundo um relatório agora divulgado, que regista uma descida da água armazenada em 10 bacias hidrográficas.

“No último dia do mês de outubro de 2017 e comparativamente ao último dia do mês anterior verificou-se um aumento do volume armazenado em duas bacias hidrográficas e uma descida em dez”, refere o Boletim de Armazenamento nas Albufeiras de Portugal Continental do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

O boletim refere também que, das 60 albufeiras monitorizadas, três apresentam disponibilidades hídricas superiores a 80% do volume total e 28 têm disponibilidades inferiores a 40% do volume total.

Segundo o SNIRH, os armazenamentos de outubro de 2017 por bacia hidrográfica apresentam-se inferiores às médias de armazenamento de outubro de 1990/91 a 2016/17, exceto para as bacias do Cávado/Ribeiras Costeiras, Douro e Arade.

A bacia do Guadiana é a que regista atualmente a maior capacidade de armazenamento 66,5%, seguindo-se a do Douro (62,5%), do Cávado (60,1%), de Mira (54,4%), do Tejo (54,1%), do Barlavento (51.3%), do Mondego (49,2%), do Ave (42,7%) e do Oeste (40,7%).

De acordo com o Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos, a bacia que apresenta menor capacidade de armazenamento é a do Sado (20%), seguida da bacia do Lima (34%).

A cada bacia hidrográfica pode corresponder mais do que uma albufeira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seca: Armazenamento abaixo de 40% em metade das albufeiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião