Governo vai disponibilizar 500 milhões para combater a seca

  • Lusa
  • 27 Outubro 2017

Montantes atribuídos inserem-se no âmbito das ajudas anuais que a PAC destina aos agricultores. Consiste num adiantamento dos apoios. Também vai ser criada uma linha de crédito de cinco milhões.

O ministro da Agricultura Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, garantiu quinta-feira, no Parlamento, que vão ser disponibilizados, a partir de segunda-feira, apoios aos agricultores na ordem dos 500 milhões de euros.

“Solicitei à União Europeia para acudir aos problemas de tesouraria dos agricultores portugueses, decorrentes da seca, uma autorização extraordinária para podermos antecipar pagamentos (…) a comissão autorizou que pagássemos até 70%, o que equivale a um montante global na ordem dos 500 milhões”, referiu, à margem de uma audição parlamentar da comissão de agricultura.

Capoulas Santos acrescentou que os montantes que vão ser atribuídos inserem-se no âmbito das ajudas que a Política Agrícola Comum (PAC) destina aos agricultores.

O deputado do PSD, Cristóvão Crespo contestou a medida, referindo que se trata de um “apoio anual” e não de uma iniciativa de combate às consequências provocadas pela seca. Critóvão Crespo argumentou que, neste âmbito, o Orçamento do Estado deveria reforçar as medidas previstas no Programa de Desenvolvimento Rural (PDR).

A deputada do CDS, Patrícia Fonseca do CDS sublinhou que dar uma antecipação “não é dar uma ajuda” e acrescentou que o Governo deveria isentar os agricultores da taxa de recursos hídricos.

Já Heloísa Apolónia, deputada do Partido Ecologista Os Verde (PEV), destacou que o país não está a tentar adaptar-se ao fenómeno das alterações climáticas. “Estamos todos a viver e a sentir na pele o resultado concreto das alterações climáticas, a seca vai ser comum entre nós e isso requer uma opção política nesse sentido”, sublinhou. A deputada acrescentou que em Portugal a falta de adaptação ao fenómeno está a criar “uma bola de neve”, uma vez que os prejuízos que lhe estão associados levam a um aumento da importação que, consequentemente, provoca o aumento do transporte e da emissão de gases com efeito de estufa.

Na mesma comissão, o ministro da Agricultura anunciou que que vão ser entregues até 4.500 toneladas de ração para animais e disponibilizadas linhas de crédito até cinco milhões de euros, a atribuir em função do efetivo pecuniário, sublinhando que serão concedidos 180 euros por cada bovino e 40 euros por ovino. Até sexta-feira, serão disponibilizadas 600 toneladas de rações para animais.

A deputada do CDS-PP, Patrícia Fonseca referiu a disponibilização de uma linha de crédito não se adequa, acrescentando que a banca não vai conceder um empréstimo aos agricultores que tiverem dificuldades financeiras.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai disponibilizar 500 milhões para combater a seca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião