Produção destruída pela seca alimentaria 81 milhões de pessoas por dia

  • Juliana Nogueira Santos
  • 25 Outubro 2017

As áreas expostas a longos períodos de seca estão sujeitos a consequências nefastas que começam na alimentação e terminam na população, afirma o Banco Mundial.

A produção de alimentos que foi comprometida por falta de água entre os anos de 2001 e 2013 seria suficiente para alimentar 81 milhões de pessoas por dia, algo como a totalidade da população da Alemanha ou da Turquia, segundo dados do Banco Mundial.

Num estudo denominado “Águas Inexploradas: A Nova Economia da Escassez e Variabilidade da Água” um grupo de investigadores chama à atenção para as consequências nefastas de longos períodos de seca que, ao “estarem muitas vezes escondidas”, atingem uma “dimensão chocante” e afetam não só as culturas como as populações.

É claro que, ao contrário do que acontece no seguimento de cheias ou tempestades, as consequências dos períodos de seca são “uma miséria em câmara lenta”, com os efeitos a surgirem lentamente ao longo dos anos. Os alimentos perdem qualidade e nutrientes e os agricultores são obrigados a expandir os campos de cultivo para as florestas circundantes, formando aí um ciclo vicioso.

“Como as florestas atuam como um estabilizador do clima, ajudando a regular as reservas de água, a desflorestação reduz essas reservas e agrava as alterações climáticas”, pode ler-se no estudo. Em termos económicos, os prejuízos para as empresas que estão expostas a longos períodos de seca podem ser quatro vezes maiores do que em caso de cheia, aponta também o Banco Mundial.

Além da produção de alimentos, o próprio desenvolvimento das populações fica comprometido, com o Banco Mundial a afirmar que os problemas causados pelas secas levam a um ciclo vicioso de pobreza e de subdesenvolvimento. As crianças que nasçam em zonas de seca têm mais tendência a crescer com problemas mentais e físicos, subnutridas e com mais propensão a doenças crónicas.

Estes dados surgem numa altura em que Portugal atravessa uma época de seca severa e extrema, verificando-se temperaturas e níveis de humidade anormais para esta altura do ano. Os planos de contingência já foram acionados no mês de julho, com o Governo a apelar à poupança de água por parte das populações.

“Se não levarmos a sério as faltas de água e as tempestades — que as alterações climáticas vão tornar mais frequentes –, poderemos ver a escassez de água a espalhar-se para novas regiões do mundo, aumentando potencialmente os episódios de violência, sofrimento e migração“, alerta Richard Damania, um dos autores do relatório. “Os métodos atuais de gestão de água não estão à altura do desafio. Estas mudanças requerem um portefólio de medidas que tenham em conta incentivos económicos para a gestão da água desde que saí da fonte, passando para a torneira, até voltar à fonte”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção destruída pela seca alimentaria 81 milhões de pessoas por dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião