Bitcoin é uma bolha ou um ativo legítimo? Eis o que dizem os especialistas

  • Bloomberg
  • 4 Novembro 2017

No mercado, vários especialistas do setor financeiro já emitiram opiniões sobre a bitcoin, a moeda que já vale mais de 7.000 dólares e que valorizou 650% este ano. Saiba o que defendem.

O bitcoin é um ativo legítimo ou uma bolha prestes a rebentar? Com a escalada dos preços da moeda digital, cada vez mais investidores e especialistas escolhem os seus lados.

Independentemente de se apoiar ou criticar a moeda, não há dúvidas sobre o crescimento vertiginoso da bitcoin este ano. A moeda digital mais amplamente usada ultrapassou a barreira dos 7.000 dólares na quinta-feira e acumula uma valorização de 650% em 2017. Conseguiu até ultrapassar a marca de 100 mil milhões de dólares em valor total de mercado, apesar da repressão dos governos e do ceticismo do mercado mais tradicional.

As retóricas pró e contra a bitcoin aumentara esta semana face à forte valorização da divisa. Mas qual a postura dos grandes nomes do mundo financeiro a este respeito? Alguns veem a bitcoin como a evolução natural do dinheiro. Outros, preveem o colapso da moeda.

Os apoiantes da bitcoin

  • Os fãs da moeda digital são encabeçados por Roger Ver, conhecido no setor como “Jesus da Bitcoin”. Roger Ver continua otimista em relação à sustentabilidade da moeda digital face às tentativas de governos como o da China de limitar alguns dos fatores mais especulativos das transações. “A única forma de parar [a bitcoin] é desligando toda a internet no mundo inteiro e mantendo-a desativada”, disse em setembro, em entrevista à Bloomberg News.
  • Alguns países também estão a surfar a onda da bitcoin. O mercado de futuros mais importante da Argentina, por exemplo, está a estudar oferecer serviços aos investidores no campo das moedas digitais. Já o presidente do Banco Central da Turquia, Murat Cetinkaya, disse que, se bem projetadas, as moedas digitais podem contribuir para a estabilidade financeira.

Os críticos da bitcoin

  • A especulação em torno da bitcoin é a “própria definição de bolha”, disse o CEO do Credit Suisse, Tidjane Thiam, aos jornalistas em Zurique na quinta-feira. “O único motivo, hoje, para comprar ou vender bitcoin é ganhar dinheiro”, um tipo de especulação que “raramente leva a um final feliz”, disse Thiam.
  • O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, continua a ser um dos mais acérrimos opositores da bitcoin em Wall Street. Em outubro, afirmou que as pessoas que compram a moeda são “idiotas” e que os governos acabarão por a esmagar.

Os neutros

  • Embora a decisão da CME de oferecer futuros de bitcoin até o fim do ano pareça apoiar a viabilidade da moeda, o CEO Terry Duffy mostrou dúvidas quando questionado se temia uma possível bolha. “Vi várias bolhas diferentes nos últimos 37 anos”, disse à Bloomberg TV. “Não cabe a mim antecipar se é uma bolha ou não — estou aqui para ajudar as pessoas a gerirem riscos.”
  • O CEO do Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, não sabe bem o que fazer em relação à bitcoin e, por enquanto, não se mostra propenso a rejeitar a moeda. “O que sei é que houve um tempo em que uma moeda valia cinco dólares se houvesse o equivalente a cinco dólares em ouro nela”, disse Blankfein em outra entrevista à Bloomberg TV. “Agora, temos um papel que é apoiado por decreto (…) talvez no novo mundo algo possa ser apoiado por consenso.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bitcoin é uma bolha ou um ativo legítimo? Eis o que dizem os especialistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião