Bitcoin atingiu os 100 mil milhões três vezes mais rápido que a Apple

  • Ana Batalha Oliveira
  • 24 Outubro 2017

A bitcoin acelerou em direção à fasquia dos 100 mil milhões e atingiu-a em sete anos: um terço do tempo que a Apple levou a chegar ao mesmo nível.

Na última sexta-feira, a moeda digital bitcoin superou a fasquia dos 100 mil milhões de dólares pela primeira vez — demorou sete anos a consegui-lo. Foi assim três vezes mais rápida a alcançar o “clube dos 100 mil milhões” do que a empresa mais valiosa do mundo, a Apple. Os receios de uma bolha também têm vindo a disparar.

Não há uma medição oficial para uma bolha de mercado, mas a velocidade com que se ascende podia ser uma dessas medições” comenta um analista da Bloomberg, Stephen Gandel. Numa análise comparativa, percebe-se que os sete anos que a bitcoin demorou a atingir os 100 mil milhões de valor de mercado é bastante inferior ao de outras empresas tecnológicas, como a Amazon ou a Apple. Esta última demorou 31 anos.

Tempo até chegar à fasquia dos 100 mil milhões de dólares (em anos)

Fonte: Bloomberg

As empresas que ascenderam e acabaram por falir naquela que ficou conhecida como “dot-com bubble“, a bolha das tecnológicas que ocorreu entre 1996 e 2000, demoraram quatro anos a valorizar 680% antes de a bolha rebentar. A bitcoin, só no último ano, já disparou mais de 800%, observa o analista. Contudo, comparando ao mercado imobiliário, que já subiu aos biliões em Nova Iorque, o valor da moeda digital não surpreende, motivo pelo qual ainda há quem duvide da bolha.

"É só uma questão de tempo até que a bitcoin se torne um membro permanente do clube dos 100 mil milhões.”

Bloomberg

De acordo com a análise da Bloomberg, “é só uma questão de tempo até que a bitcoin se torne um membro permanente do clube dos 100 mil milhões”. Desde que este valor foi atingido, na última sexta-feira, já voltou a descer, mas a queda não foi abrupta. Os títulos desceram do pico de 6.063,99 dólares para os 5.701,35 dólares, acumulando as perdas de 1,04% de segunda-feira com a quebra de 3,55% desta terça-feira.

A Apple é avaliada atualmente em cerca de 810 mil milhões de dólares — a primeira empresa a passar os 800 mil milhões — e a Amazon está nos 469 mil milhões.

A bitcoin tem espoletado críticas entre várias personalidades do mundo financeiro. Esta semana, Al-waleed Bin Talal, príncipe da Árabia Saudita com vários investimentos tecnológicos, veio comparar a moeda digital à Enron, a empresa americana que conseguiu esconder as suas dívidas até que acabou por falir. Jamie Dimon, o CEO do JP Morgan refere-se à bitcoin como “uma fraude“.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bitcoin atingiu os 100 mil milhões três vezes mais rápido que a Apple

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião