Fundo de Resolução sem assento no Novo Banco? “É pena”, diz Luís Máximo dos Santos

  • ECO
  • 4 Novembro 2017

Luís Máximo dos Santos, presidente do Fundo de Resolução, considera que "é pena" que o Estado não possa ter assento na administração do Novo Banco.

Luís Máximo dos Santos, vice-governador do Banco de Portugal (BdP) e presidente do Fundo de Resolução (FR), considera que “é pena” que o FR não tenha assento na administração do Novo Banco, numa altura em que a venda aos norte-americanos do Lone Star foi concluída. A posição foi expressada numa entrevista ao jornal Expresso [acesso pago].

Questionado sobre como vai o FR garantir que o fundo protege os interesses do Estado sem assento na administração do banco, Máximo dos Santos indicou: “Há poderes concretos que de facto não se traduzem na presença na administração, e isso é pena, mas não foi porque o comprador não estivesse recetivo.” Justificou com a posição do regulador europeu da concorrência, que terá entendido que “a presença do Estado [na administração do Novo Banco] era demasiado intrusiva”.

A posição de Máximo dos Santos vai ao encontro do que disse a também vice-governadora Elisa Ferreira ao ECO24, o programa do ECO e da TVI24. Nessa entrevista, Elisa Ferreira apontou que “o FR tem algum controlo”, mas que o BdP gostaria “que fosse mais.”

Há poderes concretos que de facto não se traduzem na presença na administração, e isso é pena, mas não foi porque o comprador não estivesse recetivo.

Luís Máximo dos Santos

Presidente do Fundo de Resolução

Luís Máximo dos Santos sublinhou ainda que “o essencial da atividade do ex-BES foi preservada”, mesmo com a resolução do banco, e que “a estabilidade do sistema também” — “isso é muito importante”, apontou. O administrador referiu-se ainda ao processo de resolução como pioneiro, mas descartou que Portugal tenha servido de cobaia para as autoridades europeias.

O administrador do BdP avançou ainda que o Lone Star “só quis comprar 75% do capital” e será essa a razão para o Estado ter ainda mantido 25% do banco na sua posse. “Vejo esses 25% como uma possibilidade de o FR valorizar a sua posição no futuro”, acrescentou. Considerou também que “foi muito importante” manter o Novo Banco “como unidade”, ao invés de o partir e integrar noutras instituições bancárias.

Por fim, Máximo dos Santos disse não ter ficado surpreendido com a ação judicial do BCP contra o BdP e o FR para tentar travar a venda do Novo Banco: “Quem está nestas funções não se deve espantar com certas situações. As instituições são livres de atuarem nos termos que entendam mais adequados na defesa do que achar ser os seus interesses”, disse. Mas referiu não ter dúvidas de que “esta operação beneficia o sistema financeiro”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de Resolução sem assento no Novo Banco? “É pena”, diz Luís Máximo dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião