Qualcomm dispara na bolsa com possível oferta da Broadcom

A empresa que fabrica os chips para o iPhone poderá vir a ser comprada pela gigante Broadcom. A Bloomberg fala em negociações exploratórias e a notícia fez disparar os títulos da Qualcomm na bolsa.

Dois gigantes podem vir a juntar-se em breve. A multinacional norte-americana Broadcom estará interessada em adquirir a gigante dos processadores Qualcomm, que fabrica, por exemplo, os chips do iPhone. A notícia foi avançada pela Bloomberg esta sexta-feira, que indica que a Broadcom estará em negociações exploratórias para aquisição da rival da Intel, citando fontes familiarizadas com o assunto.

Ainda não terá sido tomada qualquer decisão. As mesmas fontes indicam que a Broadcom, que também fabrica circuitos integrados e semicondutores, terá consultado alguns conselheiros para discutir a possível compra. A avançar, poderá ser o maior negócio de sempre neste segmento do setor tecnológico. Contactados pela agência, responsáveis de ambas as empresas recusaram comentar estas informações.

A notícia surge numa altura em que a Qualcomm se prepara para fechar um outro negócio. A empresa californiana anunciou recentemente a aquisição da NXP Semiconductors, outra companhia do mesmo ramo, por 47 mil milhões de euros. A compra encontra-se sob escrutínio dos reguladores e tem merecido oposição de alguns acionistas, que estarão descontentes com os termos em que a operação foi anunciada.

Apesar de ainda não ser um negócio fechado, a possibilidade da compra da Qualcomm pela Broadcom está a fazer mexer os mercados. As ações de ambas as empresas reagiam positivamente à notícia a poucas horas do final da sessão, com os títulos da Broadcom a valorizarem 4,04% para 269,975 dólares.

Contudo, era a Qualcomm a que mais beneficiava, com as ações a dispararem 12,53%, de 54,84 dólares para 61,71 dólares, a maior subida da empresa desde outubro de 2008. Após esta subida, a Qualcomm fica avaliada em cerca de 92 mil milhões de dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qualcomm dispara na bolsa com possível oferta da Broadcom

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião