Bolha no imobiliário? Mario Draghi não vê sinais

O BCE mantém os juros em mínimo histórico. Há crédito barato, mas o presidente do banco central afasta um cenário de bolhas no mercado imobiliário da Zona Euro.

O Banco Central Europeu (BCE) mantém os juros em mínimo histórico. A taxa de referência está em 0%, um nível que visa incentivar os bancos a concederem financiamento para puxar pela economia. Apesar do dinheiro barato, que facilita a compra de imóveis com recurso a crédito, Mario Draghi diz que não há sinais de que se esteja a criar uma bolha no mercado imobiliário.

“Não há sinais de que se esteja a criar uma bolha no mercado imobiliário”, afirmou o presidente da autoridade monetária do euro durante um discurso em Frankfurt, na Alemanha. Draghi rejeita, assim, que a sua política de crédito barato esteja por detrás da subida dos preços na habitação nos países da Zona Euro, entre eles Portugal onde o valor dos imóveis está já em máximos de 2011.

O presidente do BCE rejeita, desta forma, a ideia de que a sua política esteja a criar um problema no futuro para o setor financeiro, isto numa altura em que a banca na Zona Euro continua a debater-se com elevados níveis de crédito malparado. “Ainda que os níveis de crédito em incumprimento tenham descido de 7,5% no início de 2015 para 5,5%, atualmente, o problema ainda não está resolvido”, afirmou.

“A supervisão europeia tem sido fundamental na construção de um sistema financeiro mais forte e resiliente”, acrescentou o responsável, notando que “o país onde um banco está localizado também é hoje um fator menos preponderante na perceção do risco” por parte de quem financia. “Estes dois feitos têm sido complementos cruciais na nossa política monetária já que os bancos são o principal canal de transmissão”, rematou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolha no imobiliário? Mario Draghi não vê sinais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião