Revista de imprensa internacional

Os Paradise Papers chegaram este domingo, mas as revelações continuam. Desta vez, o alvo é o esquema de Lewis Hamilton. Na UE traçam-se planos de defesa. Nos EUA, a Disney quer comprar a 21st Century.

Depois da Qualcomm, é a vez da 21st Century Fox ser alvo do interesse de uma gigante do seu setor — neste caso, da Walt Disney, que está a preparar uma proposta para comprar os produtos de entretenimento da produtora cinematográfica. Ainda nos EUA, a Amazon está a financiar mais descontos em produtos que não são seus e o Goldman Sachs avisa para os riscos de a bitcoin ir para lá dos 8.000 dólares. Na Europa, a UE está prestes a chegar a um acordo na área da defesa e os Paradise Papers continuam a fazer revelações sobre os esquemas fiscais de empresários ou celebridades.

CNBC

Disney quer comprar entretenimento da 21st Century Fox

Grande parte da 21st Century Fox poderá ser vendida à Walt Disney em breve, de acordo com fontes próximas do negócio. Contudo, a Disney não poderá ficar com toda a empresa, que inclui canais de televisão nacionais e regionais, uma vez que já é dona da ABC e da ESPN — tal junção criaria distorções na concorrência. A concretizar-se, o negócio deixará a 21st Century Fox focada apenas no negócio do desporto e das notícias. Do lado da Disney, a aposta tem como objetivo competir contra a oferta digital de conteúdos de gigantes como a Apple, Amazon, Facebook, Google e Netflix. Após a notícia, as ações da 21st Century Fox valorizaram mais de 5%.

Leia notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Financial Times

União Europeia a caminho de um pacto de defesa conjunto

As pressões geopolíticas e a reconstrução do eixo franco-alemão vão levar a que mais de metade dos Estados-membros da UE assinem um pacto de defesa conjunto nos próximos dias. Foram vários os acontecimentos num passado recente que colocaram dúvidas sobre a defesa europeia: é o caso dos ataques terroristas que se propagaram em território europeu, mas também o conflito na Crimeia e, mais recentemente, as ameaças da Coreia do Norte. Além disso, a saída do Reino Unido da UE representará, em 2019, a retirada de grande parte da força militar que a União Europeia tinha à sua disposição.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso pago)

The Guardian

Lewis Hamilton comprou um jato de luxo sem pagar IVA

Os Paradise Papers revelam que o campeão de Fórmula 1 comprou um jato de luxo por 27 milhões de dólares sem ter de pagar o IVA que, neste caso, traduzir-se-iam em mais milhões na fatura final. Com a ajuda de uma esquema fiscal da Appleby — a sociedade de advogados citada na investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) no domingo –, Hamilton conseguiu contornar o IVA, o que implicou que o voo inaugural tivesse uma paragem na Ilha de Man. Ao todo, o piloto não pagou 5,2 milhões de dólares de IVA. O caso está a ser investigado pelas autoridades.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Quartz

Amazon financia descontos extras para bater preços dos concorrentes

A Amazon, que recentemente comprou a Whole Foods, está a pagar do seu próprio bolso descontos extra nos produtos vendidos por terceiros na sua plataforma online de marketplace. “Discount provided by Amazon” (Desconto dado pela Amazon) é agora o lema da empresa em antecipação da famosa Black Friday e da época natalícia. Os descontos vão até aos 9%. A diferença entre o valor original e o que tem o desconto aplicado é paga pela empresa.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Bloomberg

Goldman Sachs alerta para o risco de a bitcoin ultrapassar os 8 mil dólares

Os analistas do banco de investimento norte-americano alertam que se a bitcoin atingir os 8.000 dólares, este pode ser o “último grande número” para a moeda digital. O Goldman Sachs aconselha, assim, os investidores a não apostarem que a bitcoin vai ultrapassar essa barreira, apesar de o passado recente demonstrar rápidos crescimentos em poucos dias. Os analistas preveem uma pausa na valorização da bitcoin. No entanto, mantêm-se otimistas quanto à consolidação da moeda digital no futuro.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião