China assina acordos com os EUA. Negócios avaliados em 218 mil milhões de euros

  • Lusa
  • 9 Novembro 2017

Chips, aviões, componentes para automóveis e soja são algumas das áreas a que a China quer ter acesso no mercado norte-americano. Por sua vez, Xi Jinping pretende um ambiente de negócios mais aberto.

A China assinou esta quitna-feira acordos de negócios com empresas norte-americanas no valor total de 253,4 mil milhões de dólares (218.000 milhões de euros), durante a visita do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a Pequim.

Os acordos foram assinados durante uma cerimónia que contou com a presença de Trump e o seu homólogo chinês, Xi Jinping, e incluem a compra de chips, aviões, componentes para automóveis e soja dos EUA.

Ambos os lados concordaram em cooperar num projeto de gás no Alasca avaliado em 43.000 milhões de dólares (37.000 ME) e num projeto de gás de xisto avaliado em 83,7 mil milhões de dólares (72.000 ME).

O ministro chinês do Comércio, Zhong Shan, avançou à imprensa que os acordos assinados valem, no total, 253,4 mil milhões dólares (218 000 ME). A este valor somam-se outros acordos, avaliados em 9 mil milhões de dólares (7,7 mil ME), e assinados na quarta-feira.

Donald Trump definiu como prioridade reduzir o défice dos EUA na balança comercial com a China – 347 mil milhões de dólares (298 ME), em 2016. Ross revelou que esse foi o “enfoque principal” nas suas reuniões com Xi.

Após a assinatura dos acordos, Xi prometeu um ambiente de negócios mais aberto para as empresas estrangeiras na China, depois de Trump ter apelado a uma mudança nas relações comerciais “injustas”.

“A China não fechará as suas portas e irá abrir-se ainda mais”, afirmou o líder chinês, prometendo que as empresas estrangeiras terão um mercado chinês “mais aberto, mais transparentes e mais ordenado”.

Os contratos assinados incluem a aquisição de jatos da construtora norte-americana Boeing, no valor de 37 mil milhões de dólares (31 ME), chips para telemóveis da Qualcomm, por 12 mil milhões de dólares (10 ME), e veículos e componentes para automóveis da General Motors e da Ford, por um total de 11,7 mil milhões de dólares (10 ME).

Os contratos assinados na quarta-feira incluem o compromisso de uma das maiores plataformas de vendas ´online’ chinesas, o JD.com, de comprar 1,2 mil milhões de dólares (10,3 ME) de bife e carne de porco dos Estados Unidos.

O excedente comercial da China com os EUA, em outubro, aumentou 12,2%, face ao mesmo mês do ano passado, para 26,6 mil milhões de dólares (22,9 ME). No conjunto, entre janeiro e outubro, Washington registou um défice de 223 mil milhões de dólares (192 ME) no comércio com Pequim.

A China é o terceiro maior mercado para os produtos norte-americanos, depois do Canadá e do México.

“Podemos resolver quase todos [os problemas] e provavelmente todos mesmo”

O Presidente norte-americano, Donald Trump, saudou a sua relação pessoal com o homólogo chinês, Xi Jinping, e afirmou que ambos trabalharão juntos para resolver não só questões entre Pequim e Washington, mas também “problemas globais”.

“Penso que podemos resolver quase todos [os problemas] e provavelmente todos mesmo”, disse Trump, durante um encontro com Xi, no Grande Palácio do Povo, em Pequim.

Xi Jinping afirmou que Pequim acredita que a cooperação entre os dois países é a “única opção correta” e que as relações bilaterais entrarão numa nova fase histórica.

“Acreditamos que as relações entre a China e os Estados Unidos são uma questão de bem-estar para os povos dos dois países e para a segurança, prosperidade e estabilidade no mundo”, acrescentou.

Xi afirmou que a China está comprometida em trabalhar com os Estados Unidos nas questões da Coreia do Norte, Afeganistão e outros assuntos internacionais.

A China está disposta a trabalhar com os EUA “com base no respeito e benefícios mútuos”, afirmou.

Sob a direção de Xi Jinping, a China tem adotado uma política externa mais assertiva e interveniente, abdicando dos princípios “manter a discrição” e “não reclamar a liderança”, que a guiaram nas últimas décadas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China assina acordos com os EUA. Negócios avaliados em 218 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião