Sombra do urso assusta Wall Street e ações mundiais

Investidores americanos continuam atentos à novela em torno da reforma dos impostos que Trump pretende implementar nos EUA. Wall Street cede e analistas temem regresso do urso.

Na ausência de grandes catalisadores que impulsionem as ações, Wall Street abriu esta quinta-feira em terreno negativo, com os investidores ainda a avaliar todo o enquadramento em torno da reforma fiscal apresentada na semana passada pelos republicanos. Esta sexta-feira é o Dia do Veterano e os mercados obrigacionistas americanos vão estar encerrados.

No mercado acionista, o índice de referência mundial S&P 500 cai 0,5% para 2.581,65 pontos — desde a eleição de Donald Trump há um ano que este índice avança mais de 20%. Também o tecnológico Nasdaq e o industrial Dow Jones cedem 0,43% e 0,71%, respetivamente.

“Com o aumento dos receios em relação a possível adiamentos na reforma fiscal nos EUA, os ursos podem ser uma presença indesejada no mercado acionista, e consequentemente a expor as ações em todo o mundo a riscos de descida”, referiu Lukman Otunuga, analista da FXTM.

"Com o aumento dos receios em relação a possível adiamentos na reforma fiscal nos EUA, os ursos podem ser uma presença indesejada no mercado acionista, e consequentemente a expor as ações em todo o mundo a riscos de descida.”

Lukman Otunuga

Analista da FXTM

“Os investidores devem também manter em atenção as tensões geopolíticas e o risco político, podem desencadear movimento de aversão ao risco”, acrescenta Lukman Otunuga.

No plano macroeconómico, os dados também não ajudam. De acordo com o Departamento do Trabalho norte-americano, o número de norte-americanos que pediram apoio social devido a situação de desemprego aumentou mais do que o esperado na última semana: os pedidos iniciais subiram em dez mil para um total de 239 mil pedidos.

Na Europa, o Cac-40 de Paris e o Dax-30 de Frankfurt cedem mais de 1% e lideram as quedas. O PSI-20, o principal índice português, está ligeiramente abaixo da linha de água, com uma queda de 0,01% para 5.329,91 pontos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sombra do urso assusta Wall Street e ações mundiais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião