Wall Street alivia de recordes. Tecnológicas pressionam

O setor tecnológico foi o principal motor das quedas do S&P 500, perante os receios dos investidores de que o plano de cortes de impostos às empresas dos EUA falhe este ano.

As ações norte-americanas fizeram uma pausa para respirar após os máximos históricos registados na sessão anterior pelos três principais índices bolsistas. O recuo do mercado acionista dos EUA foi condicionado pelo deslize das ações da Apple, bem como de outras tecnológicas, num dia em que os investidores também revelaram os seus receios relativamente ao plano republicano do Senado que poderá atrasar o corte de impostos às empresas tão desejado.

O S&P 500 terminou a sessão a recuar 0,38%, para os 2.584,62 pontos, enquanto o Dow Jones perdeu 0,43%, para os 23.461,94 pontos. Já o Nasdaq desvalorizou 0,58%, para os 6.750,05 pontos.

O dia foi marcado pelo recuo dos títulos do setor tecnológico que tem sido aquele que melhor desempenho regista no índice S&P 500 desde o início do ano: valoriza 37% nesse período. Referência para o deslize das ações da Apple (-0,21%), da Microsoft (-0,52%), Alphabet (-1,03%), Oracle (-2,58%) e Facebook (-0,14%), que pressionaram o desempenho do índice que agrega as 500 maiores capitalizações do mercado bolsista norte-americano.

De salientar que o setor tecnológico é um dos mais sensíveis face aos receios demonstrados pelos investidores relativamente a um eventual falhanço no plano de corte de impostos às empresas norte-americanas. Receios que acontecem numa altura em que os republicanos do Senado apresentaram uma proposta de acordo que difere bastante daquela que é detalhada pelos seus homólogos da Câmara dos representantes, de acordo com o que avançaram assessores do partido republicano nesta quinta-feira.

O mercado quer ver cortes de impostos ainda este ano“, afirmou Gary Bradshaw, gestor de carteiras de ativos na Hodges Capital Management, citado pela Bloomberg. “É por essa razão que assistimos a este sell-off agora” disse ainda o mesmo especialista que não encontra outra razão para justificar a queda das ações norte-americanas nesta sessão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street alivia de recordes. Tecnológicas pressionam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião