Bancários vão a exame para poder vender produtos financeiros

  • Lusa
  • 15 Novembro 2017

Os trabalhadores que não conseguirem passar à primeira no exame, têm de voltar a fazer a prova até serem aprovados, porque precisam obrigatoriamente da certificação.

Mais de 23 mil trabalhadores dos principais bancos estão a fazer exames para poderem vender produtos financeiros a partir de 2018, como exige legislação europeia, mas o Governo ainda não aprovou a lei que transpõe a diretiva para Portugal. Esta certificação dos trabalhadores bancários é exigida pela nova Diretiva dos Mercados Financeiros (DMIF II), que entra em vigor em 1 de janeiro de 2018, a qual os obriga a terem formação técnica, quer para aconselhar aos clientes produtos financeiros, quer para apenas prestarem informação sobre esses produtos.

Contudo, segundo informações obtidas pela Lusa, o Governo ainda não aprovou o diploma que transpõe para a legislação portuguesa e que ainda deverá ser aprovado pelo parlamento. A Lusa contactou fonte oficial do Ministério das Finanças, mas até ao momento ainda não obteve esclarecimentos sobre este tema.

Contactados pela Lusa para saber quantos trabalhadores estão a receber formação e a realizar exames, os sete principais bancos que operam em Portugal indicaram que, no total, são 23.800 funcionários. Na Caixa Geral de Depósitos, o maior banco português, estão abrangidos pela formação que começou em 17 de outubro “cerca de seis mil colaboradores”, disse à Lusa fonte oficial.

Já do BCP, o segundo maior banco, estão a receber formação 4.800 trabalhadores, dos quais 4.500 colaboradores para a função de prestação de informação e quase 300 para consultoria para investimento, disse fonte oficial. O banco liderado por Nuno Amado indicou que a formação começou em meados de setembro e, na sexta-feira passada, após os três primeiros dias de exames, já tinha “mais de 700 colaboradores certificados”. Os exames decorrem presencialmente em Lisboa, Porto, Açores e Madeira.

O Santander Totta, por sua vez, está a dar formação a 4.000 funcionários desde julho, segundo fonte oficial, acrescentando que os exames arrancaram em dez universidades portuguesas. Do BPI, a formação e certificação abrange 3.200 empregados e do Novo Banco cerca de 3.000 trabalhadores. Por fim, o Montepio tem em formação 2.000 pessoas e o Crédito Agrícola 800.

Os trabalhadores que não conseguirem passar à primeira no exame, têm de voltar a fazer a prova até serem aprovados, porque precisam obrigatoriamente da certificação para aconselhar ou prestar informações sobre produtos financeiros aos clientes bancários a partir de 2018.

Segundo fonte oficial da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o anteprojeto legislativo que esteve em consulta pública indica que “na falta da qualificação e aptidão profissional adequadas, o colaborador pode prosseguir a sua atividade durante um prazo máximo de quatro anos, desde que sob adequada supervisão de colaborador que cumpra os requisitos exigidos”.

A maioria dos bancos contactados está a dar a formação em ‘e-learning’ – ou seja, por via ‘online’ através do acesso a uma plataforma criada para o efeito -, sendo que os exames são feitos presencialmente. Para a elaboração das provas os bancos socorreram-se de entidades externas, caso do Instituto de Formação Bancária. A formação tem, no mínimo, a duração de 80 horas para os trabalhadores que apenas prestam informação aos clientes sobre produtos financeiros ou sobre serviços de investimento. Já para aqueles que fazem consultoria para investimento a formação mínima é de 130 horas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancários vão a exame para poder vender produtos financeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião