Bankinter passou a ter o spread da casa mais baixo do mercado

O banco espanhol passa a oferecer um spread mínimo de 1,15%, ficando abaixo do BCP, Santander Totta e Popular que cobram a partir de 1,25%.

O Bankinter reviu em baixa o seu leque de spreads no crédito à habitação, passando a oferecer a margem mínima mais baixa do mercado. O banco espanhol passa a exigir um spread mínimo de 1,15% a quem contratar um empréstimo para a compra de casa de taxa variável. Antes, a margem mínima que o Bankinter cobrava era 1,25%. O banco também cortou a margem máxima de spreads que passou dos 3,7% para os 3,2%.

O novo leque de spreads surge no preçário do Bankinter que entra em vigor a partir desta quarta-feira, sendo que o banco já está a publicitar este valor em destaque no seu site. Trata-se da primeira vez no espaço de quatro meses em que há um banco a descer o limite mínimo de spreads. A última vez que aconteceu foi em agosto, quando o Popular desceu a sua margem mínima dos 1,7%, para os 1,25%, igualando assim o valor contido no preçário do Santander Totta que está próximo de concluir a aquisição dos seus ativos em Portugal, faltando apenas o aval dos reguladores.

Ao descer o seu spread mínimo para 1,15%, o Bankinter passa a oferecer a margem mínima mais baixa do mercado, já que deixa de igualar o mínimo que continua em vigor no BCP, Santander Totta e Popular — 1,25% — e que era até agora o valor mais baixo possível de conseguir.

“O facto de termos voltado a lançar a oferta mais competitiva em Crédito Habitação no mercado português mostra o nosso empenho em sermos uma referência em Portugal e que continuamos a apoiar as famílias portuguesas nos seus projetos mais importantes”, refere Alberto Ramos, Country Manager do Bankinter Portugal, num comunicado enviado às redações esta quarta-feira.

A nova margem mínima cobrada pelo Bankinter aplica-se no primeiro patamar da nova grelha de spreads do banco que passa de dois para três níveis, sendo válida apenas para empréstimos acima de 150 mil euros. Para montantes de financiamento entre os 100 mil e os 150 mil euros, passa a vigorar um spread de 1,35%, enquanto para valores abaixo dos 100 mil euros o banco cobra um prémio de 1,50%.

Estes níveis de spreads dependem da subscrição de outros produtos do banco. É necessário que os clientes subscrevam seguros de vida, multirriscos e proteção ao crédito, bem como façam a domiciliação de ordenado no Bankinter, tal como explica o preçário do banco. A última vez que o banco espanhol tinha descido o seu spread mínimo foi em janeiro deste ano.

(Notícia atualizada às 10h00 com mais informação contida em comunicado enviado pelo Bankinter)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter passou a ter o spread da casa mais baixo do mercado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião