O adeus de Isabel dos Santos no Instagram: Situação da Sonangol era “dramática”

Isabel dos Santos despediu-se esta quinta-feira dos trabalhadores da Sonangol, após João Lourenço ter dado posse ao novo presidente da petrolífera estatal, Carlos Saturnino.

Isabel dos Santos com trabalhadores da Sonangol.D.R.

A filha do ex-presidente de Angola publicou esta quinta-feira um vídeo na sua conta oficial de Instagram onde deixa uma mensagem para os trabalhadores da Sonangol. Isabel dos Santos — que foi exonerada pelo presidente angolano esta quarta-feira — afirmou que a “memória é curta”, mas lembrou “os dias dramáticos” de quando entrou no conselho de administração da petrolífera estatal, há pouco mais de um ano.

A ex-presidente da Sonangol disse que a empresa estava praticamente em “pré-falência”. A falar aos trabalhadores da empresa, a empresária chega a dizer que houve pormenores que lhes foram escondidos, de tal forma a situação era “dramática”. “Quando nós chegamos cá, esta empresa estava numa situação difícil. Eram dias dramáticos“, concluiu, num vídeo que tem o retrato oficial de João Lourenço como pano de fundo.

Na mesma rede social, Isabel dos Santos agradeceu “a todos os que confiaram em mim para liderar a recuperação da nossa empresa nacional de petróleo”. “A minha gratidão vai, particularmente, para os meus colegas do conselho de administração cessante”, acrescentou, deixando um agradecimento aos colaboradores da Sonangol no momento de despedida.

Esta quinta-feira a Lusa divulgou um relatório em que a gestão de Isabel dos Santos é criticada. Entretanto, a empresária emitiu um comunicado onde desmente essa informação. “O grupo de trabalho não se debruçou em momento algum sobre assuntos de gestão corrente ou de gestão de investimentos da Sonangol EP ou do grupo Sonangol“, lê-se no desmentido.

Além disso, esta quinta-feira os advogados que contestam desde 2016 a nomeação de Isabel dos Santos consideraram que a exoneração era esperada e que os tribunais angolanos não queriam desautorizar José Eduardo dos Santos. “Acreditamos que a decisão do Presidente João Lourenço é uma decisão política correta, porque não se pode governar um país que depende do petróleo e a pessoa que está à frente de uma empresa como a Sonangol não seja da sua confiança política”, apontou David Mendes, o porta-voz dos 12 advogados angolanos que avançaram para os tribunais, citado pela Lusa.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h07)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O adeus de Isabel dos Santos no Instagram: Situação da Sonangol era “dramática”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião