Demitida da Sonangol, Isabel dos Santos volta a defender-se no Instagram

  • ECO
  • 17 Novembro 2017

A empresária Isabel dos Santos voltou ao Instagram, onde publicou uma série de cartões a que chamou "Verdades Sonangol". Neles, cita responsáveis de empresas do setor petrolífero internacional.

Isabel dos Santos voltou ao Instagram para defender aquilo a que chama de “Verdades Sonangol”.

Isabel dos Santos, a mulher mais rica de África, foi esta quarta-feira exonerada da presidência da Sonangol, a petrolífera estatal angolana, pelo Presidente João Lourenço. Depois de deixar um vídeo de despedida no Instagram, onde recordou “os dias dramáticos” de quando entrou na administração, a empresária voltou à rede social com alguns vídeos e uma série de quatro cartões intitulados “Verdades Sonangol”.

Numa das primeiras publicações, Isabel dos Santos indica: “Reduzimos para metade o custo de produção do barril” de petróleo, de 14 dólares em 2014 para sete dólares em 2016, garante. Os restantes cartões incluem citações atribuídas aos líderes de empresas do setor, como a Total, a Statoil e a Chevron.

“Sempre tivemos uma relação muito próxima com a Sonangol e queremos mantê-la por muito tempo. Por isso, estamos para ficar e encontrar novas oportunidades de colaboração com a Sonangol”, lê-se num cartão que inclui declarações atribuídas a Eldar Saetre, presidente executivo da Statoil.

“A Sonangol está a fazer exatamente aquilo que nós fizemos. Quando o preço do petróleo caiu, todos sentimos dificuldades. A sua prioridade tem sido a transformação e equilíbrio das contas, o que tem sido positivo e permite voltar a pensar no desenvolvimento”, lê-se noutra publicação atribuída a Patrick Pouyanné, presidente da Total.

Há ainda um terceiro cartão, atribuído a Clay Neff, alto cargo da Chevron: “Vemos as mudanças que a Sonangol está a fazer com muitos bons olhos. Existe uma colaboração muito positiva entre a Sonangol, a Chevron e os outros membros da indústria para melhorar as condições de investimento em Angola”, lê-se.

Para além dos cartões, a também filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, publicou dois vídeos, igualmente com declarações de líderes do setor e intervenções suas em conferências internacionais. “Acho que já alcançámos algum sucesso. Por exemplo, no ano passado, o nosso EBITDA foi de 3,2 mil milhões de dólares, portanto, aumentou 15% quando comparado com 2015”, indica a empresária num dos vídeos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Demitida da Sonangol, Isabel dos Santos volta a defender-se no Instagram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião