Dois meses depois, o que é feito da Yupido? Fomos saber

Em setembro, os holofotes incidiram na Yupido graças a um aumento de capital de 29 mil milhões de euros. Quatro entidades abriram investigações. Dois meses depois, o que mudou? Falámos com a empresa.

Desde setembro, o que mudou no caso da Yupido, a empresa portuguesa que diz valer 29 mil milhões?Paula Nunes / ECO

O que é feito da Yupido? Em setembro, o ECO noticiou a existência desta empresa com sede em Lisboa, que tem registado um capital social de quase 29 mil milhões de euros, superior ao de companhias como a Galp Energia e o equivalente a 15% da riqueza gerada em Portugal em 2016. Descobrimos ainda a origem desse valor: trata-se da avaliação atribuída a dois ativos intangíveis — uma “plataforma digital inovadora de media” e um “software de gestão para empresas”.

A notícia pôs o Ministério Público, a Polícia Judiciária, a Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e a CMVM a vasculharem as contas desta companhia mas, dois meses depois, pouco ou nada mudou. O ECO abordou as entidades e falou com a própria empresa.

Fonte da Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou ao ECO “a existência de um inquérito” a decorrer no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa. No entanto, o mesmo “encontra-se em investigação e não tem arguidos constituídos”, sublinhou a mesma fonte. Em setembro, pouco depois das notícias sobre a Yupido, o Ministério Público (MP) assumia-se como estando “a acompanhar a situação” para “decidir qual o procedimento mais adequado no âmbito das suas competências”.

A Yupido é uma sociedade anónima constituída em 2015 e nem sempre teve um capital social multimilionário. No início, apresentava-se como tendo 243 milhões de euros de capital, um valor inscrito na rubrica de “depósitos à ordem” nas contas da companhia. Como foi depois apurado com base em documentos da empresa, desse valor, apenas 35.000 euros eram dinheiro, que fora avançado pelos fundadores: 10.000 euros de Cláudia Alves (vice-chairman), outros 10.000 euros de Torcato Jorge (chairman) e 15.000 euros de Filipe Besugo (diretor criativo).

Confirma-se a existência de um inquérito a correr termos no DIAP de Lisboa. Encontra-se em investigação e não tem arguidos constituídos

Procuradoria-Geral da República

Fonte oficial, contactada pelo ECO

“Uma operação muito atípica”

Na realidade, os 243 milhões de euros, à semelhança dos quase 29 mil milhões que surgiram em 2016 através de um insólito aumento de capital em espécie, foram depois explicados como sendo ativos intangíveis. Mais propriamente, um “software de gestão para empresas”, apurou o Observador, e uma “plataforma digital inovadora de media”, apurou o ECO. Ambos os ativos mereceram avaliação de um revisor oficial de contas (ROC), António Alves da Silva, com 50 anos de carreira, o que permitiu que entrassem para o capital social da Yupido.

Face a isto, e com as notícias a surgirem em catadupa na comunicação social, a Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC) anunciou ter decidido abrir uma análise a essas avaliações que permitiram aquilo que considerou ser “uma operação muito atípica”. Foi a 9 de setembro. O ECO contactou a OROC esta semana, que revelou que esse processo ainda decorre: “A ordem comunicou que tinham sido iniciadas as diligências devidas nas circunstâncias. De momento, estando as mesmas em curso, não existem ainda resultados que possam ser divulgados.

Outras duas entidades anunciaram estarem a olhar para esta empresa de consultoria. Uma delas foi a Polícia Judiciária (PJ) que, como avançou o semanário Expresso [acesso pago], também iniciou uma análise às contas desta empresa. Ao que o ECO apurou junto de fonte conhecedora do processo, esta análise ainda decorre, pelo que não existirão resultados passíveis de serem divulgados neste momento.

A outra entidade foi a CMVM, a “polícia” dos mercados, que disse em setembro estar a “promover as diligências adequadas” em relação à Yupido, como avançou o Jornal de Negócios. Ao ECO, fonte da CMVM não avançou grandes detalhes, mas disse: “Apenas é possível referir que a CMVM está a atuar no âmbito das competências legais que lhe estão atribuídas e nesta fase não pode adiantar detalhes sobre a sua análise por a mesma se encontrar sujeita a segredo profissional.”

A ordem comunicou que tinham sido iniciadas as diligências devidas nas circunstâncias. De momento, estando as mesmas em curso, não existem ainda resultados que possam ser divulgados.

Ordem dos Revisores Oficiais de Contas

Fonte oficial, contactada pelo ECO

Yupido a “avançar mais depressa” do que o previsto

Foi a 14 de setembro, com a polémica ainda a ferver, que surgiu o último facto de relevo neste caso. No portal das publicações do ministério da Justiça, surgia uma entrada dando conta da “cessação de funções” de dois membros dos órgãos sociais da Yupido. José Rito, através a empresa J. Rito & Associada, e Maria Rebelo, ambos revisores oficiais de contas, eram até à data os responsáveis por auditar as contas desta empresa e abandonavam assim o navio. Nem isto fez mudar o portal da Yupido na internet, em yupido.com, que ainda lista estes nomes como os auditores das contas. Consultado o portal do Ministério da Justiça, não houve lugar a mais nenhuma entrada relativa a esta empresa.

Contudo, o ECO falou com Francisco Mendes, da Yupido. O porta-voz da empresa disse já ter havido lugar a contactos com a OROC, mas disse preferir “não comentar o assunto”. No que toca aos produtos que planeia lançar, disse: “Continuamos a avançar, mais depressa do que o que estávamos a prever. (…) Acelerámos o desenvolvimento [dos mesmos].” O lançamento continua apontado para 2018.

Questionado sobre se a empresa marcou presença no Web Summit, a feira internacional de tecnologia que decorreu este mês em Lisboa, Francisco Mendes explicou: “Alguns colegas foram, mas não em nome da empresa.” E acrescentou: “Nesta altura, não nos interessa atrair mediatismo.” Uma presença nas próximas edições do evento, como parceiros, é opção em cima da mesa.

Continuamos a avançar, mais depressa do que o que estávamos a prever. (…) Acelerámos o desenvolvimento [dos produtos].

Francisco Mendes

Porta-voz da Yupido

Recorde-se que Francisco Mendes já tinha falado com o ECO em setembro, revelando alguns detalhes sobre a Yupido. Na altura, o porta-voz mostrou-se insatisfeito com as notícias que surgiram na comunicação social e com as acusações nas redes sociais: “Nunca incomodámos ninguém, nunca fizemos mal a ninguém. Já apareceram coisas grotescas, como [acusarem-nos de] branqueamento de capital”, afirmou.

Além disso, avançou: “Já comunicámos à PJ (…) a disponibilizarmo-nos para esclarecer qualquer assunto que a PJ possa ter. (…) É fundamental esclarecer que não temos rigorosamente nada com que nos preocupar, porque foi tudo feito dentro da regularidade e não cometemos nenhum crime.” Não é certo se os responsáveis já foram ou não ouvidos pelas autoridades. Ao que o ECO apurou, a Yupido ainda não terá sido contactada pela PJ.

Certo é que a Yupido nunca explicou em concreto o software e a plataforma que lhe valeram a inscrição de um capital social de 29 mil milhões de euros, que será o maior alguma vez registado por uma empresa em Portugal. Quando questionado pelo ECO em setembro, Francisco Mendes escudou-se sempre na necessidade de confidencialidade para proteger a propriedade industrial. Sabe-se que a plataforma de media, o mais valioso ativo da Yupido, assenta em algoritmos avançados. Ao ECO, Francisco Mendes referiu: “Não posso descrever algoritmos na comunicação social, porque isso põe em risco o nosso trabalho.”

"Já comunicámos à PJ (…) a disponibilizarmo-nos para esclarecer qualquer assunto que a PJ possa ter. (…) É fundamental esclarecer que não temos rigorosamente nada com que nos preocupar, porque foi tudo feito dentro da regularidade e não cometemos nenhum crime.”

Francisco Mendes

Porta-voz da Yupido, em setembro

Domínios “Yupido” à venda na internet

O certo é que a onda mediática em torno da Yupido já estará a criar algumas limitações à empresa, nomeadamente em termos de registo de domínios na internet — isto é, os endereços que encaminham os utilizadores para os sites.

O portal oficial da Yupido encontra-se registado em “yupido.com”. No entanto, logo após o mediatismo, começou uma corrida à compra de outros endereços que possam, eventualmente, vir a interessar à empresa. Ao que o ECO apurou, entre 7 e 17 de setembro de 2017, altura das notícias sobre a empresa, um utilizador que se dá pelo nome de Marco Varela, com morada em Faro, registou os domínios “yupido.tv”, “yupido.net” e ainda “kuaboca.net” e “quaquado.net”. Estes últimos dizem respeito às duas marcas registadas pela Yupido.

Note-se que estas operações são alheias à Yupido e são, apenas, o resultado de todo o buzz que se gerou à volta da companhia. Aliás, o ECO recebeu uma mensagem via Facebook, alegadamente de Marco Varela, em que o utilizador se mostra disponível para vender “três domínios da Yupido”, sem indicar o valor.

O mediatismo em torno da Yupido levou alguns internautas a comprarem endereços com o nome “yupido”, possivelmente na esperança de os venderem a um preço superior ao do mercado.Captura de ecrã de "yupido.pt", a 16 de novembro

O mesmo acontece para o domínio com sufixo português. Acedendo a “yupido.pt”, a página mostrava um fundo amarelo com letras brancas em que se lia: “O domínio yupido.pt está à venda”. É ainda deixado um contacto para os interessados. Ao que o ECO apurou, o endereço está registado em nome de Pedro Monteiro, com morada em Lisboa. O registo data de 14 de setembro.

Infografia: quem é quem na Yupido?

Fonte: Site da Yupido e documentação obtida pelo ECO.Infografia por Louise Farias / ECO

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dois meses depois, o que é feito da Yupido? Fomos saber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião