Fundos comunitários apoiam 300 projetos hoteleiros

  • Lusa
  • 17 Novembro 2017

Ministro da Economia realçou, esta sexta-feira, que crescimento do turismo exige dinamização a oferta, o que justifica o apoio de 300 novo projetos hoteleiros.

O ministro da Economia informou, esta sexta-feira, que através do Portugal2020 foram apoiados mais de 300 projetos hoteleiros, num valor de 300 milhões de euros, e atualizou para 90 o número de hotéis que vão abrir em 2017 e 2018.

Na sessão de encerramento do 29.º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo, organizado pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), em Coimbra, Manuel Caldeira Cabral disse que o “enorme crescimento”, além da dinamização da procura, também requer “dinamização da oferta, que se faz pelos instrumentos financeiros”.

Foram assim lançados instrumentos de financiamento, nomeadamente para a requalificação da oferta turística, o novo fundo de investimento, tendo os instrumentos do Portugal 2020 “colocado em mais de três centenas de projetos hoteleiros um valor de 300 milhões de euros”, pormenorizou.

Depois de na segunda-feira ter afirmando, na Assembleia da República, estarem em construção cerca de 80 hotéis para abrirem nos próximos dois anos, o ministro atualizou hoje o número para 90 infraestruturas que vão abrir “este ano e no próximo” para “responder ao aumento da procura”.

Caldeira Cabral considerou que o aumento da procura “está a ser sustentável”, por ser dispersa e “acontecer ao longo de todo o ano”, referindo também que o crescimento é tanto da quantidade, como da qualidade.

Na sua intervenção, o governante tinha recordado que Portugal protagoniza “o maior crescimento do número de turistas no Sul da Europa”.

“O Turismo está a viver um bom momento porque está também a crescer de forma sustentável. Estamos aqui em Coimbra, na região Centro, uma das que mais cresceram”, a par dos Açores e Alentejo, disse Caldeira Cabral, que sublinhou a necessidade de o crescimento continuar e que “se espalhe mais pelo território”.

A organização informou terem participado no congresso 423 pessoas, com Raul Martins, presidente AHP, a considerar que o evento, sob o tema “Descobriram Portugal e Agora?” foi um “sucesso”.

“Acertámos no tema, nos oradores, moderadores, na região, no local, nos parceiros e nos congressistas”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundos comunitários apoiam 300 projetos hoteleiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião