PS atira solução das progressões para negociação

Os socialistas decidiram apresentar uma proposta de alteração ao OE2018 sobre as carreiras dos professores. O PS quer que o tempo de serviço conte, mas não se compromete com a forma ou datas.

O Partido Socialista quer que o tempo de serviço dos professores conte. Mas não impõe limites temporais e diz que o faseamento tem de ser compatível com os recursos disponíveis. Os socialistas querem que haja expressão remuneratória do tempo de serviço, mas atiram para as negociações entre o Governo e os sindicatos “o prazo e o modo” da concretização.

Esta informação consta da proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2018 que o Partido Socialista já submeteu. Apesar de quererem que o tempo de serviço conte — tal como já tinham sinalizado esta sexta-feira no Parlamento –, os socialistas consideram que essa “expressão remuneratória” não pode comprometer a “sustentabilidade” dos “recursos disponíveis”.

“A expressão remuneratória de tempo de serviço nas carreiras, cargos ou categorias integradas em corpos especiais, em que a progressão e mudança de posição remuneratória dependam do decurso de determinado período de prestação de serviço legalmente estabelecido para o efeito, é considerada em processo negocial com vista a definir o prazo e o modo para a sua concretização, tendo em conta a sustentabilidade e compatibilização com os recursos disponíveis”, lê-se na proposta submetida pelo PS.

Ainda esta sexta-feira, o Governo voltou a reunir com os sindicatos para discutir esta situação, depois de os professores terem feito greve na quarta-feira. O próprio primeiro-ministro admitiu a contagem do tempo de serviço, mas “em abstrato”, sem concretizar. “Vamos sentar-nos à mesa e trabalhar. Se todas as questões têm solução, isso não posso garantir”, afirmou António Costa. “Não podemos dar hoje um passo à frente para dar dois passos atrás amanhã”, atirou o primeiro-ministro, defendendo que isso “aconteceu no passado” e que “tem a certeza” que também não é do interesse dos sindicatos.

Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno ficou isolado perante a concordância do PS e da esquerda. No debate, Joana Mortágua avisou que “se este Governo falhar aos professores, o BE estará cá para apresentar propostas na especialidade” — afirmação que concretizou com uma proposta que limita a aplicação temporal desta recuperação à presente legislatura. Já o PCP propôs que o tempo de serviço seja também contabilizando, atirando para a negociação os termos finais da solução ou a sua aplicação temporal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS atira solução das progressões para negociação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião